Monólogo de Ana Kutner faz temporada  no Teatro Eva Herz

SÃO PAULO – Primeiro trabalho como dramaturga da atriz Ana Kutner, Passarinho retorna para um temporada no Teatro Eva Herz no próximo dia 6 de fevereiro. Com direção de Clara Kutner, a peça propõe um diálogo com o público por meio de poesia. O espetáculo estreou em 2017 e traz um autobiografia de Ana, em seu primeiro mergulho como autora, falando sobre as experiências afetivas, memórias, dores e descobertas.

Em cena, Ana, que é também iluminadora, opera a própria a luz, além do som,  promove um encontro franco, direto e amoroso com o público, para quem oferece seus relatos num tom que, apesar de confessional, não deixa entrever os limites entre realidade e ficção e se vale de sua experiência particular para falar do que é universal e reconhecível por qualquer um de nós.

A peça foi transformada em livro, que saiu pela editora Cobogó em 2018. O livro estará à venda  nos dias da apresentação e o público porderá ter seu exemplar autografado pela atriz e autora.

Passarinho e o Eva Herz 

Em 2019, Passarinho teve algumas micro temporadas em uma versão mais intimista. Agora, retorna ao palco italiano e em uns lugar que sempre foi um sonho para Ana Kutner. “Quando comecei a fazer o Passarinho, ficou muito claro para mim e para a diretora Clara Kutner que o espetáculo precisava transitar em espaços múltiplos, deslocar, para além das salas de teatro, experimentar outras interlocuções, performar em novos espaços, causando a provocação estética que buscamos: os atravessamentos. Mas sempre estive de olho no Eva Herz. A proximidade com a livraria e seu tamanho me permitem um amplo diálogo com a platéia. Esse desejo só cresceu quando Passarinho alcançou outros ninhos ao se transformar em livro. O Eva Herz faz muito bem esse diálogo entre os palcos e a literatura”, explica Ana Kutner.

A peça se dá em um cenário que é quase uma instalação: no palco, o público vê um banco e uma instalação de múltiplas lâmpadas em alturas diferentes, que criam uma espécie de chão de estrelas ao redor da atriz. A luz e o som são operados pela própria, ao longo da peça. A ideia do cenário é permitir que o espetáculo tenha a versatilidade que mostra desde a sua estreia, adaptando-se aos mais diversos espaços e também possibilitando experimentações na conversa com o público.

“Gosto da liberdade que o espetáculo me dá de levar a mensagem a espaços múltiplos. A peça defende o direito e a liberdade de sermos quem somos, sem julgamentos ou rótulos. E neste sentido ela é política e universal. Ela só é radical na não radicalidade. Falo, sim, de meu pai e minha mãe (Paulo José e Dina Sfat), na medida em que eles são também minha história e minha memória, mas falo de muitos outros afetos e de como eles me atravessaram pela vida.” completa Ana.

Além de Passarinho, que Ana deseja fazer pousar em outros ninhos, a atriz também está bem envolvida com o cinema e séries para TV. Recentemente, esteve envolvida em Psi (HBO), Colônia (Canal Brasil), Terrores Urbanos (Sentimental Filmes e Reccord), Boca a Boca (Netflix) e As Aparecidas (filme de Ivan Feijó).

SINOPSE

A ação de PASSARINHO se passa em um lugar indefinido. Com humor e delicadeza, a atriz divide com a plateia suas próprias memórias familiares, as histórias de encontros e desencontros, amores, desejos, sonhos, e reflexões sobre morte, sexualidade, gênero, amizade e fé. Há ainda uma homenagem aos seus pais – a atriz Dina Sfat e o ator Paulo José.

Para  serviço
PASSARINHO – De 6 de fevereiro a 26 de março, quintas, às 20 horas, no Teatro Eva Herz (** Dia 27 de fevereiro não haverá espetáculo).

Duração: 60 minutos.

Classificação etária: 16 anos.

Valores: R$ 60,00.
Lotação: 166 lugares

Ficha Técnica
Texto e Atuação: Ana Kutner
Direção: Clara Kutner
Figurino: Antonio Medeiros e Guilherme Kato

Fotos: Felipe Lima
Produção: Ana Kutner e Juliana Mattar

Realização: AKutner Produções

Teatro Eva Herz – Av. Paulista, 2073 – Conjunto Nacional. Telefone: 3170-4059

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!