No palco, o universo popular nordestino de Ariano Suassuna

 

 

Maurício Mellone, para o site Favo do Mellone, parceiro do Aplauso Brasil(aplausobrasil@aplausobrasil.com)

A comédia As Conchambranças de Quaderna é dirigida por Inez Viana, com Leonardo Brício liderando um elenco de nove atores

A rica cultura popular do Nordeste brasileiro é o mote central da obra do dramaturgo e romancista Ariano Suassuna, autor de clássicos como O Auto da Compadecida e A Pedra do Reino . E em As Conchambranças de Quaderna esse universo dá vida à peça, dirigida pela atriz Inez Viana e que permanece em cartaz no Sesc Vila Mariana até 1º de maio.

A oralidade típica do povo simples do Nordeste e a poesia sertaneja são o mote do espetáculo, que reúne duas histórias contadas por Pedro Quaderma (vivido por Leonardo Brício), personagem central de Romance d’A Pedra do Reino. Na primeira, há o casamento de duas irmãs, em que o noivo de uma delas resolve no dia do matrimônio mudar de noiva, o que gera a maior confusão. A segunda história, baseada em fato real, é sobre uma mulher que presta queixa às autoridades contra o diabo, por não cumprir a promessa de levar seu marido para o inferno.

Para quem estranha o título da peça, Suassuna explica que conchambrança é uma corruptela de conchavo. É dessa forma que Quaderma relata suas lembranças, em que fez vários conchavos para resolver as situações a contento, sempre tirando proveito de tudo e de todos.

Ao ser convidada a participar de um festival de teatro, Inez Viana — que já dirigiu documentário sobre Suassuna e organizou seminários sobre o autor — solicitou uma peça ao amigo. Ele apresentou As Conchambranças de Quaderna, dizendo que essa comédia tinha sido encenada apenas por grupos amadores.

“Fiquei radiante com a possibilidade de montar uma peça dele e, praticamente, inédita. Suassuna, que faz da sua vida a missão de escrever e falar sobre o povo brasileiro, nos ensina que toda cultura universal é primordialmente local. Procurei seguir esta linha e ser fiel ao seu rico universo”, argumenta a diretora.

Vencedor no Rio do Prêmio Shell/10 de melhor direção musical, o espetáculo conta com nove atores e dois músicos que executam a trilha ao vivo. Destaque para o cenário de Nello Marrese, que utiliza placas que reproduzem ilustrações de Ariano Suassuna: elas são manipuladas pelos atores, que dão ritmo à trama, criando uma ilusão de surgimento e desaparecimento em cena.  

Roteiro:

As Conchambranças de Quaderna – Autor – Ariano Suassuna. Direção – Inez Viana. Elenco – Leonardo Bricio, Claudia Ventura, Debora Lamm, Ricardo Souzedo, Iano Salomão, Diogo Camargos, Zé Wendell, Junior Dantas e Viviane Câmara. Músicos – Renata Neves e Marisa Silveira. Cenário – Nello Marrese. Figurino: Flávio Souza. Direção Musical – Marcelo Alonso Neves. Iluminação- Renato Machado. Direção de Produção – Bloco Pi – Liliana Mont Serrat e Damiana Guimarães.

Temporada até 1º de maio – Sextas e sábados às 21h e domingos às 18h       (Excepcionalmente no dia 21 de abril, sessão às 18h). Não haverá sessão no dia 22/04.) Serviço:

Teatro – SESC Vila Mariana – Rua Pelotas, 141. Telefone – 5080-3000. Lotação: 608 lugares. Duração – 80 minutos. Não recomendado para menores de 14 anos. Não é permitida a entrada após o início do espetáculo. Ingressos: R$ 24,00 (inteira); R$ 12,00 (usuário inscrito no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) R$ 6,00 (comerciários e trabalhadores em empresas do comércio de bens, serviços e turismo). Ingressos à venda na Rede SESC a partir de 25/03, às 15h. Horário de funcionamento da bilheteria – Terça a sexta das 9h às 21h30, aos sábados das 10h às 21h30, domingos e feriados das 10h às 18h30. Informações – 0800 118220. Estacionamento – Veículos, motos e bicicletas – Terça a sexta, das 7h às 21h30; Sábado, domingo, feriado, das 9h às 18h30 – Taxas: R$ 3,00 a primeira hora e R$ 1,00 por hora adicional (matriculados); R$ 6,00 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional (não-matriculados). Site – www.sescsp.org.br

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.