Novo texto de Sérgio Roveri estreia no Club Noir

Nanda Rovere, do Aplauso Brasil (nanda@aplausobrasil.com)

OPUS 12 PARA VOZES HUMANAS
OPUS 12 PARA VOZES HUMANAS

SÃO PAULO – Opus 12 Para Vozes Humanas reúne duas peças do dramaturgo Sergio Roveri, Um Dia  e  Uma Noite, e fala de incomunicabilidade, alienação e indiferença. A direção é de José Roberto Jardim. No elenco,  estão Alex Gruli, Anna Cecília Junqueira, Felipe Folgosi, Janaína Afhonso, Munir Kanaan e Pedro Henrique Moutinho.  O figurino é assinado pelo  estilista Caio da Rocha, um dos grandes nomes da alta costura brasileira. A trilha original é de autoria de André Moraes.

No palco, os 6 atores interpretam personagens que não conseguem mais viver em sociedade. Falam uns com os outros, mas não conseguem ouvir com atenção. Todos estão fechados num mundo particular e individualista.

Na primeira peça encenada, Um Dia, um casal (vivido por Pedro Henrique Moutinho e Janaína Afhonso) é refém de situações caóticas e delicadas.

OPUS 12 PARA VOZES HUMANAS
OPUS 12 PARA VOZES HUMANAS

A segunda, Uma Noite, reúne personagens que se encontram para um jantar e falam sobre banalidades. Só conseguem colocar em evidência egoísmos e indiferenças. Em cena,  estão Felipe Folgosi, Anna Cecília Junqueira, Alex Gruli e Munir Kanaan.

¨São pessoas individualistas, acima de tudo solitários¨, define o autor Sergio Roveri. ¨E o individualismo neles não é uma forma de egoísmo ou de conseguir algumas vantagens no mundo. Eles são individualistas porque não conseguem mais agir de outras formas, eles se perderam de si mesmos e dos outros. Eles adquiriram uma certa indiferença, uma certa distância em relação ao outro e isso resulta em situações de apatia e até violência, como no caso do primeiro texto, Um Dia¨, complementa.

 

Reencontro de parceiros no teatro

O espetáculo é o quinto trabalho de uma parceria que já dura dez anos entre o dramaturgo Sérgio Roveri e o diretor José Roberto Jardim. Jardim trabalhou como ator na peça O Encontro das Águas, escrita pelo dramaturgo em 2004, e depois viria a dirigir as seguintes peças de Roveri: Aberdeen, um Possível Kurt Cobain, que permaneceu dois anos em cartaz, a peça curta Qualquer Dia, Comigo, Com Você, Com Qualquer Um, apresentada nas Satyrianas de 2012, e Tempos de Marilyn, atualmente em fase de produção.

Opus 12 também representa a reunião de uma série de artistas, cujas trajetórias profissionais se cruzaram com frequência nos últimos anos. Pedro Henrique Moutinho atuou em três textos de Roveri – O Encontro das Águas, Qualquer Dia e Eclipse, peça que também trouxe no elenco o ator Alex Gruli. Jardim e Gruli integram a companhia Os Fofos Encenam desde 2001 e Anna Cecília Junqueira dividiu o palco com Jardim no espetáculo Recordar é Viver, ao lado de Sérgio Britto.

Este projeto é muito especial para Sérgio Roveri. Além de marcar o seu reencontro com companheiros com quem já trabalhou, é uma oportunidade para aproximá-lo profissionalmente dos atores Felipe Folgosi, Anna Cecília Junqueira,  Munir Kannan e Janaína Afhonso, pessoas cujos trabalhos sempre admirou.

Roveri destaca que a direção de José Roberto Jardim é instigante porque ele é um artista inteligente e versátil:

¨Um diretor extremamente preocupado não só com o trabalho que realiza, mas com o que de mais significativo e importante está ocorrendo na cena teatral, não só do Brasil,  mas do exterior também¨, elogia.

O autor também assinala que o tempo para os ensaios foi curto e todos se entregaram a este projeto com uma paixão invejável.

¨Alguns deles concordaram em participar antes mesmo de ler os textos. Por isso, eu penso muito na palavra confiança: é uma confiança mútua que nos une e uma vontade de realizar um espetáculo diferente e pulsante¨, diz.

 

Ficha Técnica

Texto: Sérgio Roveri

Direção: José Roberto Jardim

Elenco: Alex Gruli, Anna Cecília Junqueira, Felipe Folgosi, Janaína Afhonso, Munir Kanaan e Pedro Henrique Moutinho

Figurino: Caio da Rocha

Trilha Sonora: Fábio Ock

Iluminação: José Roberto Jardim

Produção: Regina Ricca.

Serviço:

Opus 12 Para Vozes Humanas

Quando: Estreia em 5 de fevereiro, às 21h00

Onde: Club Noir. Rua Augusta, 331, centro, Tel. 3257-8129

Capacidade: 45 lugares

Temporada: 5 de fevereiro a 1º de maio

Sessões: Quartas e quintas, às 21h00

Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia)

Duração: 50 minutos

Classificação etária: 14 anos

Acesso para deficientes

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*