Onisajé apresenta peça que aborda a colonização de corpos negros

SÃO PAULO – A partir das 21h30 de amanhã, a Companhia de Teatro da Universidade Federal da Bahia (UFBA) apresenta o espetáculo Peles Negras, Máscaras Brancas, adaptação de Adri Anunciação para obra homônima do psiquiatra, filósofo e ensaísta martinicano Frantz Fanon, cujo eixo da pesquisa está centrado nas consequências psicológicas da colonização e do processo de descolonização, considerando seus aspectos sociológicos, filosóficos e psiquiátricos.

A montagem da Cia de Teatro da UFBA é uma obra de ficção que se vale de

A montagem traz o próprio Frantz Fanon como personagem no ano de 2019 defendendo novamente sua tese de doutorado, rejeitada pela banca examinadora no ano de 1950.

‘Dois artistas interpretam este personagem, Victor Edvani – ator preto e cisgênero – e Matheuzza Xavier – atriz, transgênero e preta”, conta o dramaturgo Adri Anunciação.

Além do próprio Fanon, a obra traz uma família formada por seis personagens que vivem em 2888.

“Nesse tempo-espaço, essas personagens desenvolvem as perspectivas ocidentalizadas de futuro para o negro e estão enclausuradas em uma casa evido à personagem Taiwo ter ultrapassado os limites impostos pelo ‘Regime Único Mundial’. Assim como Taiwo, outras personagens da sua família já tinham sido infectadas em outros momentos pela “náusea do desejo de saber-ser” e invadiram a velha biblioteca que possui informações a respeito do processo africano pré-colonial. Manter esses livros/informações distantes do povo negro, que foi colonizado e vem tendo sua memória escondida e apagada, é uma forma de controle sob os seus corpos”, completa Anunciação.

Trata-se o primeiro espetáculo da companhia dirigido por uma mulher negra: Onisajé (Fernanda Júlia). Além disso, o elenco (e equipe de produção) é composta majoritariamente por negros e negras. São eles: Iago Gonçalves, Igor Nascimento, Juliette Nascimento, Manu Moraes, Matheus Cardoso, Matheuzza Xavier, Rafaella Tuxá, Thallia Figueiredo, Victor Edvani e Wellington Lima.

“A fala de uma encenadora mulher, negra, lésbica, do interior do estado, de periferia, que fez parte e faz dessa universidade – graduação, mestrado e agora doutorado – afirma e comprova a necessidade de colocar as nossas questões em todos os espaços”, afirma Onisajé.

Ficha Técnica

Direção: Onisajé (Fernanda Júlia)

Texto: Aldri Anunciação

Elenco: Iago Gonçalves, Igor Nascimento, Juliette Nascimento, Manu Moraes, Matheus Cardoso, Matheuzza, Rafaella Tuxá, Thallia Figueiredo, Victor Edvani, Wellington Lima

Co-direção: Licko Turle

Assistência de direção: Fabíola Nansurê

Orientação de pesquisa: Alexandra Dumas e Licko Turle

Colaboração em Pesquisa: Cássia Maciel, Edson César e Lucas Silva

Estudantes-pesquisadores: Camila Loyasican, Juliana Bispo, Juliana Luz, Juliana Roriz

Trilha sonora: Luciano Salvador Bahia

Preparação Vocal: Joana Boccanera

Operação de Som e Vídeo: Fabíola Nansurê

Coreografia e Preparação corporal: Edileusa Santos

Cenografia, Figurino e Maquiagem: Thiago Romero e Tina Melo

Costura: Márcia Cardoso e Saraí Reis

Cenotécnica: Luiz Antônio Sena Jr., Luiz Buranga, Thiago Romero e Tina Melo

Desenho de luz: Nando Zâmbia

Operação de Luz: Milena Pitombo e Nando Zâmbia

Produção: DA GENTE Produções

Direção de produção: Luiz Antônio Sena Jr

Produção executiva: Anderson Danttas e Bergson Nunes

Assistência de produção: Eric Lopes

Design Gráfico: Diego Moreno

Registro Fotográfico: Adeloyá Magnoni

Registro Audiovisual: André Araújo e Juliana Roiz

Parceria: Fórum Negro de Arte e Cultura, Escola de Teatro, PROEXT e UFBA

 

PELE NEGRA, MÁSCARAS BRANCAS
Cia. de Teatro da UFBA (Universidade Federal da Bahia)
De 24 de janeiro a 02 de fevereiro de 2020. Sextas e sábados, às 21h30 e domingos, às 18h30 
*no sábado 25/01, feriado, a sessão será às 18h30
Local: 
Sala de Espetáculos I (70 lugares)
Ingressos: R$ 30,00 (inteira); R$15,00 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante) e R$9,00 (credencial plena do Sesc – trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes. Venda online a partir de 14/01, à 12h e venda nas bilheterias das unidades do Sesc a partir de 15/01, às 17h30
Recomendação etária: 12 anos
Duração: 100 minutos

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000.
Belenzinho – São Paulo (SP)
Telefone: (11) 2076-9700
www.sescsp.org.br/belenzinho

Estacionamento
De terça a sábado, das 9h às 22h. Domingos e feriados, das 9h às 20h.
Valores: Credenciados plenos do Sesc: R$ 5,50 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional. Não credenciados no Sesc: R$ 12,00 a primeira hora e R$ 3,00 por hora adicional.

Para espetáculos pagos, após as 17h: R$ 7,50 (Credencial Plena do Sesc – trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo). R$ 15,00 (não credenciados).

Transporte Público

Metro Belém (550m) | Estação Tatuapé (1400m)

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.