Os Dez Encontros entre Tania Khalill e André Garolli

Redação do Aplauso Brasil (redacao@aplausobrasil.com.br)  

DEZ ENCONTROS - CRÉD. FOTO BOB SOUSA
DEZ ENCONTROS – CRÉD. FOTO BOB SOUSA

SÃO PAULO – O encontro casual entre uma garota e um motorista de táxi, respectivamente representados por Tania Khalill e André Garolli, são os primeiros, dos cinco, personagens vividos por cada um em Dez Encontros (The Blue Room), de David Hare e direção de Isser Korik, em cartaz desde ontem no Teatro Folha.

Hare, a partir de Reigen, mais conhecido como La Ronde – nome da versão cinematográfica dos anos 1950 –, que o austríaco Arthur Schnitzler escreveu em 1897, concebeu um espetáculo para dois atores com o propósito  de abordar as relações de personagens urbanas que, casualmente ou não, se encontram (como o título escolhido por Isser Korik que, além da direção, assina a  tradução da peça: Dez Encontros) e, o primeiro encontro, que mostra o envolvimento de uma garota com um motorista de táxi, inicia a série de encontros em que, a cada nova  cena, um personagem permanece, enquanto o segundo ator volta com outro personagem, formando assim uma ciranda de encontros que fecha o ciclo, retornando à personagem inicial:

DEZ ENCONTROS - CRÉD. FOTO BOB SOUSA
DEZ ENCONTROS – CRÉD. FOTO BOB SOUSA

Primeiro  Encontro – A Garota e o Taxista
Segundo Encontro – O Taxista e a Doméstica
Terceiro  Encontro – A Doméstica e o Estudante
Quarto    Encontro – O Estudante e a Mulher Casada
Quinto    Encontro – A Mulher Casada e o Político
Sexto     Encontro – O Político e a Modelo
Sétimo   Encontro – A Modelo e o Autor
Oitavo    Encontro – O Autor e a Atriz
Nono      Encontro – A Atriz e o Magnata
Décimo  Encontro – O Magnata e a Garota

“O texto traz uma infinidade de emoções ligadas às possibilidades sentimentais entre homens e mulheres. David Hare fez um trabalho exemplar ao trazer os personagens de Schnitzler para o universo urbano contemporâneo, tratando os encontros de uma forma mais sintética e profunda que o texto original”, explica Isser.  

Ficha técnica
Autoria:
 David Hare
Tradução e Direção: Isser Korik
Elenco: Tania Khalill e André Garolli
Cenários e Adereços: Gilberto Gawronski
Figurinos: Fábio Namatame
Duração: 90 minutos
Classificação etária: 16 anos

SERVIÇO – ”Dez Encontros”
Local: 
Teatro Folha
Estreia: 9 de janeiro
Temporada: até 26 de abril
Apresentações: sexta-feira, 21h30; sábado, 21h; domingo, 20h.
Ingresso: R$ 30,00 (setor único) às sextas-feiras e aos domingos; R$ 30,00 (setor 2) e R$ 40,00 (setor 1) aos sábados.
*Valores referentes a ingressos inteiros. Meia-entrada disponível em todas as sessões e setores de acordo com a legislação.

TEATRO FOLHA
Shopping Pátio Higienópolis – Av. Higienópolis, 618 / Terraço / tel.: (11) 3823-2323 – Televendas: (11) / 3823 2423 / 3823 2737 / 3823 2323 Site: www.teatrofolha.com.br
Vendas por telefone e internet/ Capacidade: 305 lugares / Não aceita cheques / Aceita os cartões de crédito: todos da Mastercard, Redecard, Visa, Visa Electron e Amex / Estudantes e pessoas com 60 anos ou mais têm os descontos legais / Clube Folha 25% desconto / Horário de funcionamento da bilheteria: de terça a quinta, das 15h às 21h; sexta, das 15h às 21h30; sábado, das 12h às 24h; e domingo, das 12h às 20h / Acesso para cadeirantes / Ar-condicionado /  Estacionamento do Shopping: R$ 12,00 (primeiras duas horas)  / Venda de espetáculos para grupos e escolas: (11) 3104-4885 / Patrocínio:Folha de S.Paulo, CSN, Original, Alupar Cemig, Wickbold, Dudalina, Netshoes e Grupo Pro Security.

 

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.