Peça baseada em conto de Lygia Fagundes Telles re-estreia no Teatro Ruth Escobar

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Simonia Queiroz por Drica Castro

SÃO PAULO – A comédia romântica Pomba Enamorada ou Uma História de Amor traz aos palcos paulistanos a atriz Simonia Queiroz que, além de atuar, assina a adaptação da obra literária homônima de Lygia Fagundes Telles para o teatro. A direção é de Tarcila Tanhã. O cenário é assinado por Anne Cerutti e Hernandes Oliveira.  O espetáculo re-estreia neste sábado (5), no Teatro Ruth Escobar e fica em cartaz até o dia 1º de julho, com sessões aos sábados, às 19h e domingos às 18h.

Baseados em textos jornalísticos de periódicos que tratam do universo feminino, o espetáculo solo apresenta a história de uma mulher independente, bonita e engraçada, Maria Helena di Castro, que está em busca do seu grande amor.

Enquanto Maria Helena espera seu amante e prepara uma festa de aniversário pra ele, revela ao público as suas intimidades, assim como as de mulheres que ela convive no seu dia-a-dia, como dona de um salão de cabeleireiro no centro da cidade

Simonia Queiroz por Franco Zampese

Segundo a atriz Simonia Queiroz, a peça faz um retrato ampliado da mulher brasileira, guerreira e trabalhadora; romântica e frágil, e, também, independente.

Como A Pomba Enamorada trata de uma mulher que vive nos anos 1950/ 60 (pré-revolução feminista), um dos desafios da montagem foi adaptar o contexto histórico daquele período para os dias de hoje:

¨Existem aspectos que ficam sem sentido para mulher de hoje, pois naquela época as mulheres raramente tinham contato físico com os homens antes do casamento e eram muito submissas emocionalmente”, afirma Simonia. ¨A partir daí, comecei a investigar e concluí como seria a Pomba Enamorada hoje: uma mulher independente e bem sucedida no seu meio. A minha Pomba Enamorada é mais moderna, não é simplesmente uma ajudante de cabelereira, ela é a própria dona do salão”, conclui a atriz.

O espirito do passado, no entanto, também está presente em cena:Maria Helena é saudosista em relação às mulheres dos anos 1950 e idealiza o romantismo através de bailes, músicas, cartas de amor e rádio-novela.

A direção é naturalista e apresenta referencias a programas femininos e ao universo dos salões de baile. O cenário, por sua vez, tem elementos que remetem o espectador aos anos 1950 e ao mundo atual, em que as mulheres são independentes.  O estilo das canções que tocam em Rádios FM, bailes e casamento serviram de inspiração para a a trilha sonora, que  salienta o imaginário da personagem.

FICHA TÉCNICA:

Adaptação do conto homônimo de Lygia Fagundes Telles

Direção:TarcilaTanhã

Adaptação e atuação:Simonia Queiroz

Assistente de direção: Alexandra da Matta

Colaboração e Consultoria Dramatúrgica: Rodrigo Fregnan e Thiago Ledier

Figurino: Anne Cerutti

Cenário: Anne Cerutti e Hernandes Oliveira

Iluminação: Hernandes Oliveira

Música: André Grynwask

Voz Off: Sergio Mastropasqua

Preparação corporal: Thiago Ledier e Luciana Caruso

Preparação vocal:Ronnie Kneblewski

Coordenação de Produção: Luciana Caruso

Produção Executiva:Simônia Queiroz

Realização: Queiroz Produções Artisticas

Fotos:DarcioTutak/Franco Zampese/Drica Castro

SERVIÇO

Pomba Enamorada ou Uma História de Amor

Temporada: de 05 de maio a 01 de julho

Sábados às 19h e domingos às 18h

Local: Teatro Ruth Escobar – Sala Miriam Muniz

Endereço: Rua dos Ingleses, 209

Telefone: (11) 3289-2358

Bilheteria: de quinta a domingo, das 14h às 21h

Duração: 55 minutos

Classificação etária: 12 anos

Capacidade: 70 lugares

Ingressos: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia)

Aceita cartões Visa, Mastercard e Diners.a

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.