PERFORMANCE NO SESC IPIRANGA VISA A INTERAÇÃO COM O PÚBLICO

Redação do Aplauso Brasil (redacao@aplausobrasil.com)

Performance convida público a se deitar com Felix, um homem com cabeça de carneiro. Foto: divulgação
Performance convida público a se deitar com Felix, um sujeito hídrido  – um homem carneiro. Foto: divulgação

SÃO PAULO – Listening to the sheep sleeping, é uma ação performativa criada por Alexandre D’Angeli, em que o público pode escolher um texto em áudio para ouvir, entre quatro obras escritas pelo escritor e cartunista Caco Galhardo, e é convidado a se deitar ao lado de Félix, um sujeito hídrido – um homem carneiro . A ação acontece de 5 a 26 de julho, sábados, das 19 às 22 horas, dentro do projeto É Logo Ali, do Sesc Ipiranga.

As obras de Galhardo que integram a performance narram, com pitadas de ironia e acidez, situações cotidianas relacionadas a um sujeito híbrido,  o homem-carneiro, desde a infância até a vida adulta.

Quatro textos foram gravados e disponibilizados em áudio por meio de aparelhos de mp3 e fones de ouvido. O público pode acompanhar a apresentação de um texto por vez, mas não há um tempo cronometrado para cada apresentação, pois a dinâmica da performance depende da receptividade do espectador.

Interagir com a plateia é a principal proposta da performance: O evento apresenta uma instalação com uma cama de casal, onde o público pode se deitar ao lado do performer.

Listening to the sheep sleeping teve início durante um curso que o performer Alexandre D’Angeli participou em Paris (França) chamado Les métamorphoses du Corps – Les animaux, onde o artista desenvolveu uma dramaturgia corporal a partir da relação homem/animal.

Para a criação da performance, D’Angeli utilizou conceitos da Live Art, isto é,  obras que envolvem corpo, espaço e tempo. Neste sentido, Listening to the sheep sleeping mistura diversas linguagens artísticas e dialoga com o público num espaço que difere das salas dos teatros tradicionais.

O objetivo é afirmar o caráter participativo e vivencial da performance, através do público como elemento colaborador para a execução da ação artística.  “Na linguagem performativa o público articula como criador de significantes e atua como elemento colaborador para a existência da ação. A performance depende necessariamente da interação física e sensorial do público para que seja o que ela é. O público, que integra, é peça ‘construtiva’ da instalação, sem essa imersão a performance não se faz como performance”, explica o artista.

A caracterização do homem-carneiro
Parte importante da obra é a caracterização de Félix. O escultor e designer de criaturas Glauco Longhi é o responsável pela criação de uma máscara realista que reproduz a cabeça de um carneiro. Confeccionada em silicone e pelagem sintética, a peça foi especialmente modelada para a performance de forma que pudesse unir a animalidade e humanidade na figura criada pelo artista Alexandre D’Angeli. Além da realidade necessária, era importante que o adereço não ficasse caricato e possibilitasse movimentos sutis e naturais como a abertura das pálpebras, que é uma reação de extrema importância no contato visual e mediação entre o performer e a pessoa que participa da ação.

Sobre Alexandre D’Angeli
Alexandre D’Angeli é ator, bonequeiro, performer e figurinista. O artista vem experimentando diversas linguagens desde o espetáculo Molloy – O fim está no começo e no entanto continua-se, solo de teatro gestual inspirado no romance de Samuel Beckett, que também agregava elementos da performance e, sobretudo, do teatro de formas animadas – o que fez com que participasse de vários projetos que investigam novas práticas dentro das Artes Cênicas (Reflexos de Cena – SESC Consolação, Cena Aberta – SESC Rio Preto, Experimento Cênico – SESC Araraquara e Palco Giratório na Mostra Cariri das Artes, entre outros). O artista também foi responsável pela série de intervenções na Virada Cultural dentro do Terminal Rodoviário do Tietê.

Ficha Técnica:
Idealização e Performance: Alexandre D’Angeli.
Texto: Caco Galhardo.
Orientação: David Limaverde.
Confecção da Máscara: Glauco Longhi.
Trilha Sonora e Locução:  Marko Concá.

 Serviço:
Listening to the sheep sleeping
De 5 a 26 de julho, sábados, das 19 às 22 horas.
Recomendável para maiores de 14 anos. GRÁTIS.
SESC Ipiranga – Rua Bom Pastor, 709 – Ipiranga. Telefone – (11) 3340-2000. Acesso para deficientes físicos. Capacidade – 30 lugares. Bilheteria – De terça a sexta das 12 às 21 horas, sábado das 10 às 21h30 e domingo e feriado das 10 às 18 horas (ingressos à venda em todas as unidades do SESC). Não há estacionamento. Informações sobre outras programações 0800-118220 ou www.sescsp.org.br.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado