Prazer em prestigiar a Cia Luna Lunera nos palcos

Nanda Rovere, do Aplauso Brasil (nanda@aplausobrasil.com.br)

"Prazer"
“Prazer”

BRASIL – Prazer, da Cia Luna Lunera, de BH, finalizou a temporada paulistana no CCBB. Agora a peça segue para o Rio de Janeiro, Festival de Teatro de Curitiba (6 e 7 de abril, no Teatro Bom Jesus) e Brasília.

"Prazer"
“Prazer”

A montagem apresenta a história de quatro amigos que se encontram depois de muito tempo longe um do outro e expõem seus problemas, alegrias e desejos. Estão fora do Brasil e a solidão e falta da terra natal muitas vezes os incomodam.

 

As cenas acontecem em ambientes variados e em diversos momentos entramos em contato, simultaneamente e individualmente, com o cotidiano dos personagens.

O texto é inspirado em fragmento do livro Uma aprendizagem ou o Livro dos Prazeres, de Clarice Lispector, mas a peça retrata a vida de pessoas comuns que podem ser a vida de qualquer pessoa, que reside em qualquer lugar do mundo.

"Prazer"
“Prazer”

A montagem nos faz pensar sobre como é bom viver, apesar das dificuldades, e a importância de sentir prazer nas pequenas coisas cotidianas.

 

O cenário, com escritos na parede, chama a atenção, além de pequenas projeções que contribuem para concretizar ações, como a interação de um dos personagens com o seu cachorro.

Os atores têm a tarefa de dar vida a personagens complexos, com momentos de grande euforia, para logo em seguida a depressão avassaladora colocar em risco o amore o respeito pela vida. Além disso, a linguagem é moderna e os diálogos não são construídos numa estrutura tradicional. O elenco tem um bom desempenho.

A força da interpretação está nos ágeis diálogos, mas principalmente nos movimentos coreografados. A coreografia desses movimentos pode nos dizer mais do que as palavras.

Há momentos em que não é fácil compreender quais as intenções dos gestos e movimentos, mas li em algum lugar ( ou ouvi em alguma peça de teatro), que a coreografia não é para ser entendida, mas sentida; Prazer é isso: um espetáculo que fala de quatro jovens que têm as angústias e alegrias comuns a todos nós e transmite emoções e sensações que nos fazem refletir sobre o valor de nossa existência.

“Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita foi a criadora de minha própria vida.” (LISPECTOR, Clarice em "Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres")
“Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita foi a criadora de minha própria vida.” (LISPECTOR, Clarice em “Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres”)

A luz e a trilha participam do espetáculo, intensificando a emoção dos personagens. A luz causa impacto no espectador pela beleza visual que proporciona.

 

Um dos méritos da Luna Lunera é abrir o seu processo de trabalho para a comunidade, fazendo com que o espectador se sinta parte do processo de criação. Além disso, os criadores têm a oportunidade de aprimorar o trabalho com esse contato e com a troca de informações.

 

Outra característica do grupo, que merece atenção, é o trabalho compartilhado de direção e dramaturgia (entre os integrantes do grupo e com a presença de profissionais convidados).

 

A Cia mostra que está aberta a opiniões. Num mundo cada vez individualizado, investe num processo de criação onde a interação contribui para a qualidade dos espetáculos.

Com muitas pessoas opinando, participandoas e a dramaturgia é instigante e contemporânea.

 

Ficha Técnica:

 

Realização, Concepção e Dramaturgia        Cia. Luna Lunera

Elenco e Codireção          Cláudio Dias, Isabela Paes, Marcelo Souza e Silva, Odilon Esteves

Codireção    Zé Walter Albinati

Orientação Dramatúrgica         Jô Bilac

Preparação Corporal      Mário Nascimento

Residência Artística        Roberta Carreri – Odin Teatret

Pesquisa em Artes Digitais       Trem Chic – Éder Santos (direção), André Hallak , Leandro Aragão, Barão Fonseca

Concepção Cenográfica Ed Andrade

Figurino       Marney Heitmann

Iluminação  Felipe Cosse e Juliano Coelho

Participação Afetiva        Cláudia Corrêa

Coordenação de Produção       Cris Moreira

 

Serviço:

Prazer

Festival de Teatro de Curitiba

6 e 7 de abril,

Teatro Bom Jesus

Rua 24 de Maio, 135 – Curitiba/PR

festivaldecuritiba.com.br/

Para saber mais detalhes do espetáculo, o histórico da Cia e verificar a agenda de apresentações: http://cialunalunera.com.br

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*