Premiada companhia mineira estreia o espetáculo Olá, Pessoa em SP

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Mineiros apresentam "Olá, Pessoa"

SÃO PAULO – Fundada por Carlos Gradim e Yara de Novaes, a premiada Odeon Companhia Teatral estreia o espetáculo Olá, Pessoa amanhã, às 21h, no Teatro Studio 184, na Praça Roosevelt.

Livre adaptação do dramaturgo e ficcionista Edmundo de Novaes Gomes para o livro E Ninguém Tinha Nada Com Isso, de Marcelo Garcia, o monólogo é protagonizado por Alexandre Cioletti e dirigido por Carlos Gradim.

Com curta temporada, a peça fica em cartaz somente até 12 de fevereiro.

A ideia de montar Olá, Pessoa surgiu em um encontro entre o diretor Carlos Gradim e o autor Marcelo Garcia, que na época era secretário municipal do Rio de Janeiro.

“Ele me apresentou o livro e eu adorei a forma como a homossexualidade é abordada. Além disso, a maneira como a história se conduz é muito envolvente e, portanto, decidi levá-la para o palco”, diz Carlos.

Para construir o espetáculo de forma menos tradicional, Carlos Gradim optou por encenar a peça permitindo a manifestação da plateia.

“O espetáculo se transforma em um diálogo entre público e personagem, claro, sem perder a dramaturgia”.

Para o ator Alexandre Cioletti, o formato da peça funciona, já que “a plateia se aproxima ainda mais da trama, se envolve com a história.”

Mineiros apresentam "Olá, Pessoa"

Mais uma vez o diretor mineiro aborda a homossexualidade em seu trabalho. O assunto já foi tema da montagem Amor e Restos Humanos (em que ganhou o prêmio SESC/ SATED de melhor diretor), e do curta-metragem Bárbara, de 2007, baseado em conto de Edmundo de Novaes Gomes.

Olá, Pessoa mostra Antônio Pessoa, interpretado por Alexandre Cioletti, criado pela mãe e pela avó, dentro de uma educação muito rígida. À medida que se descobre homossexual Antônio passa a sofrer preconceitos por todos os lados, sem apoio da sociedade ou amigos. O personagem compartilha suas experiências com a plateia e, em certo momento, no espetáculo, abre espaço para quem quiser dividir suas vivências sobre o tema.

Olá, Pessoa utiliza a homossexualidade como um canal para discutir todo tipo de discriminação.

“Queremos incentivar a construção de uma sociedade menos preconceituosa e mais tolerante, e direcionar o foco para a capacidade de transformação do homem, independentemente de orientação sexual, raça ou posição social”, finaliza o diretor mineiro Carlos Gradim.

“Por mais avançada que a sociedade esteja, a homossexualidade ainda é tabu para muita gente”, diz Carlos.

Desde sua primeira produção – a montagem de Ricardo III, de William Shakespeare, com direção de Yara de Novaes – a Odeon Companhia Teatral coleciona prêmios em suas peças.

Fundada em 1998 por Carlos Gradim e Yara de Novaes, a Odeon busca legitimar a função social do teatro, promovendo ações culturais com diversos setores da sociedade e utilizando o teatro como ferramenta de inserção cultural.

FICHA TÉCNICA

Concepção e Direção: Carlos Gradim. Adaptado da Obra E ninguém tinha nada com isso…, de Marcelo Garcia. Assistente de direção: Lira Ribas. Adaptação: Edmundo de Novaes Gomes. Coadaptação: Gladis Colodetti. Em cena: Alexandre Cioletti. Apoio em cena: Lira Ribas. Direção de Vídeo: Clarissa Campolina e Leonardo Barcelos. Operação de vídeo: Rita Pestana. Cenografia e Figurinos: André Cortez. Criação de luz: Edimar Pinto. Produção: Agentz Produções. Cenotécnico: Felício Alvez /Cia. Cenográfica.

Olá, Pessoa. Estreia dia 2 de fevereiro, quinta-feira, às 21 horas. Temporada: De quinta a sábado, às 21h. Domingos, às 19h. Quintas e sextas – R$20; sábados e domingos – R$ 30. Duração: 60 minutos.  Teatro Studio 184 – Pça Roosevelt. Até 12 de fevereiro. Curtíssima temporada. Censura: 14 anos.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*