PÚBLICO CAMINHA POR CASARÃO NO BIXIGA EM “ELLA, ESTRANGEIRA DE SI”

SÃO PAULO – Você já pensou em ter que escolher qual seria a próxima cena que veria num espetáculo? É isso que acontece em Ella, estrangeira de si, que estreia no dia 11 de outubro, sexta, às 21 horas, na Zona Franca. Com texto e direção da carioca Luiza Prado, que também faz algumas participações como atriz, a peça mostra uma personagem que está em busca da sua identidade e do seu lugar no mundo, se descobrindo em meio a uma série de acontecimentos. No elenco também estão as atrizes Beatrix Oliva, Mitzi Evelyn, Yasmin Gomes e Yana Sardenberg, além das musicistas Beatriz Abade e Danielle Vasconcelos. 

 

A peça traz uma voz feminina e traça um diálogo feminista. O centro da montagem é a mulher, mas a temática é universal. Afinal, quem nunca se sentiu estrangeiro, passageiro ou forasteiro do próprio corpo? Ou de alguma relação que viveu? Da cidade que nasceu ou que mora? É a partir destes questionamentos que Ella, estrangeira de si encontra identificação e temas infindáveis para refletir com o público.

 

O livro que originou a peça surgiu simultaneamente à mudança de Luiza para São Paulo. Em busca do seu espaço, ela saiu do Rio de Janeiro e começou a colocar no papel, em forma de texto, seus anseios com a sua troca de endereço, seus questionamentos após o fim de um relacionamento, a sua descoberta como homossexual e como ela, mulher, se colocava no mundo. Os textos, que tinham diversos formatos (poesia, roteiro, prosa e até um boletim de ocorrência) tinha algo em comum: Luiza sempre escreveria na 3ª pessoa. “Percebi que aqueles textos tinha esse ponto de encontro é que aquela ela que mencionava sempre era uma personagem e tanto. Foi assim que surgiu Ella, estrangeira de si, que além do livro e peça também foi transformada num perfil de Instagram (@ella.estrangeiradesi)”.

No lançamento do livro, Luiza fez algumas leituras dramáticas do texto e percebeu uma embocadura para o teatro. “Acabei dirigindo algumas cenas e vi que poderia ter uma peça ali. Chamei as meninas que estão no elenco e começamos a levantar esse projeto”.

Estrutura não convencional

Na hora de fazer adaptações do texto para uma dramaturgia de teatro, Luiza optou por uma dramaturgia não-cartesiana e não-linear. Por isso, ela buscou fugir de um palco italiano e ir para um espaço alternativo, com uma peça itinerante, que acontece em diversos espaços de uma casa, com cenas simultâneas, inclusive, colocando o público numa posição mais ativa.

“O texto tem diversos atravessamentos. Queria que isso ficasse muito claro em cena. Cada pessoa na plateia verá a peça sob uma perspectiva e de uma maneira diferente. O elenco não leva as pessoas até a próxima cena; é a plateia que decide o que verá a seguir ou para que espaço vai seguir. Não será possível ver todas as cenas porque algumas acontecem no mesmo momento. Minha intenção com essa proposta cênica é fazer com que as pessoas se sintam como a mulher na sociedade. Obrigadas a tomar decisões, fazer escolhas cruciais ou abrir mão de situações quando não gostaríamos de fazê-las.”, explica.

 

Para roteiro:

ELLA, ESTRANGEIRA DE SIEstreia dia 11 de outubro, sexta, 21 horas, na Zona Franca. Temporada: até 8 de novembro, sextas, às 21 horas. Capacidade: 40 lugares. Ingressos: R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia-entrada). Recomendação etária: 16 anos. Duração: 80 minutos.

 

Ficha técnica

Texto e direção: Luiza Prado. Assistente de Direção: Priscila Lima. Atrizes: Beatrix Oliva, Mitzi Evelyn, Yana Sardenberg e Yasmin Gomes. Musicistas: Beatriz Abade, Danielle Vasconcelos e Yasmin Gomes. Maquiadora: Andressa Pontes. Figurino: Rafael Fassani. Direção de Arte: Rafael Fassani. Desenho de Luz, fotografia, técnico de som, luz e projeção: Marcinho Nunes. Produção: Mosaico Produções (Cicero de Andrade e Vivian Vineyard).

 

ASSOCIAÇÃO ZONA FRANCA – R. Alm. Marques de Leão, 378 – Bela Vista, São Paulo – SP

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*