Qual a (s) cara (s) do teatro na primeira década do século 21?

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Renata Pallottini

A prof. Dra. Renata Pallottini, cujos trabalhos de pesquisa sobre dramaturgia, tem influência indiscutível, seja no meio acadêmico de língua portuguesa seja no de língua castelhana, idioma para o qual foi traduzido, disse no início dessa década, e está registrado no pequeno livro “O que é dramaturgia?”, coleção Primeiros Passos, que os paradigmas que sustentavam a dramaturgia canônica, caíram por terra após a Segunda Guerra Mundial, por volta do início da década de 1950. Quem leu ou assistiu “Esperando Godot”, de Samuel Beckett, sentirá perfeitamente essa “ausência” do paradigma aristotélico, sobretudo no aspecto da unidade de ação, ou seja, o conflito dramático que alavanca o enredo.

Ouso pegar carona nesse sentimento de ausência de paradigmas – ou seriam camisas de força para deliberar o que é e o que não é permitido nos palcos e, também, fora da arquitetura palco-plateia mais habitual a nós – e propor a nós, gente de teatro, a questão: a primeira década do século 21 encontra-se numa crise paradigmática? Caminhamos para a conjunção corpo-voz-texto dramático-texto cênico sem limites sufocando a liberdade necessária à ( r ) evolução criativa?

E você, qual a (s) cara (s) do teatro na primeira década do século 21? Opine aqui. O diálogo é nossa base mais honesta.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*