The Rape of Lucrece é chance única de ver a Royal Shakespeare Company em raro espetáculo

 

Da redação do Festival de Teatro de Curitiba 

CURITIBA – Um poema pouco conhecido de William Shakespeare adaptado para os palcos e levado ao público por meio de narrativa e canções. Raramente encenado, “The Rape of Lucrece” (ou “O estupro de Lucrécia”, livremente traduzido) apresenta o drama da lendária Lucrécia, uma dama romana violentada por Sexto Tarquinio, filho do imperador de Roma, e que, envergonhada, suicida-se em frente ao marido depois de lhe confessar a sua desonra. Erótico, violento e político, o poema transformado em espetáculo teatral e trazido à vida pela voz da aclamada atriz e cantora irlandesa Camille O’Sullivan é uma das atrações internacionais da Mostra do Festival de Curitiba deste ano.

A montagem, inédita no Brasil, já passou por festivais europeus, arrancando suspiros do público, emocionado com a beleza e a intensidade da montagem. Camille é o centro do espetáculo. A atriz ora narra a história, ora canta os versos do poema, em composições assinadas pelo pianista Feargal Murray, que também está em cena, em conjunto com diretora da produção, Elizabeth Freestone, e a própria cantora. 

A adaptação é fruto de um esforço que uniu os três artistas e que só foi possível depois que Freestone “descobriu” a sua solista.

“O desejo de fazer algo com este poema era antigo, mas foi só quando Camille entrou no caminho da companhia é que percebi nela a atriz de que precisávamos para levar esta história intensa e lindamente escrita para os palcos”, revela. “Ela é uma intérprete única que conta histórias com o coração e é extremamente hábil em percorrer, com palavras e música, os extremos de luz e escuridão da natureza humana”. 

Para a diretora, a adaptação permitiu que Camille explorasse o íntimo da vítima e do seu perpetrador na mesma peça.

“É um desfio de atuação fascinante e surpreendente”, descreve.

A estrutura do espetáculo transforma em narração a história do poema e em canção, as falas dos personagens.

“Isso nos permitiu manter a linha narrativa e ir fundo nas emoções dos personagens por meio da música”, diz.  “Ao assistir a ele, esperamos que o público possa descobrir coisas poderosas, como se esta fosse uma nova peça de Shakespeare que acabou de ser descoberta”, completa Freestone.

Ficha técnica:

Royal Shakespeare Company – The Rape of Lucrece (Londres/ING)

THE RAPE OF LUCRECE

FESTIVAL DE TEATRO DE CURITIBA – MOSTRA 2014
Teatro da Reitoria
Dias 4 e 5 de abril – 21h
www.festivaldecuritiba.com.br

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.