Rebu da carioca Teatro Independente chega a São Paulo e Rio de Janeiro

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

"Rebú" nova peça do Teatro Independente

Ano passado eles conquistaram público e crítica por onde apresentaram Cachorro!, um folhetim à la Nelson Rodrigues, escrito por Jô Bilac. Este ano o Teatro Independente volta com um novo texto do autor, Rebu, que estreia no 3º andar do SESC Consolação nesta quinta-feira (10), 21h, e, simultaneamente, está em cartaz no Rio de Janeiro (Teatro Gláucio Gil).

Mais uma vez a parceria Jô Bilac-Teatro Independente aposta na linguagem folhetinesca para narrar a saga de um casal que recebe a irmã do marido como hóspede. Até aí tudo bem, mas os conflitos começam com a implicância da irmã com sua cunhada e com o bicho de estimação que ela traz consigo e exige que fique na casa: um bode.

Peça busca reviver os sets de filmagem do século 19

O Folhetim é uma característica muito da dramaturgia do Jô e nós gostamos muito de trabalhar em cima de visceralidade, personagens passionais”, afirma o ator Paulo Verlings, o “marido”, personagem, segundo ele, inspirados nas figuras masculinas do espanhol Federico García Lorca, vide sua devoção exagerada à enlutada irmã dita acometida de doença terminal.

À linguagem folhetinesca/ melodramática não faltam revelações surpreendentes, emoções à flor da pele e um final inusitado, tudo tratado com o humor paródico do autor.

O tempero especial do Teatro Independente é o cuidado dado à composição corporal que muito contribui para as gargalhadas do público. Se em Cachorro! As imagens corporais formavam uma coreografia de tango, Rebu traz evidente influencia do flamenco espanhol.

“Tem uma coisa que é um conceito geral da companhia, não gostamos de estar soltos em cena, precisamos sabe o que fazer. O Diego, ator que faz o bode, fez aulas de sapateado e nós assistimos a vários vídeos de dança flamenca”, completa.

FICHA TÉCNICA
Texto: Jô Bilac
Direção: Vinicius Arneiro
Elenco: Carolina Pismel, Júlia Marini, Diego Becker e Paulo Verlings
Iluminação: Paulo César Medeiros
Figurinos: Marcelo Olinto
Cenografia: Daniele Geammal
Trilha Sonora Original: Luciano Correa

SERVIÇO
Estreia: 10 de junho de 2010. Quinta, às 21h
Temporada: De 10 de Junho a 30 de Julho. Quintas e Sextas, às 21 horas. (No feriado de 9 de julho não terá apresentação).
Duração: 75 minutos
Local: Espaço Beta – 3º andar
Capacidade de Público: 60 lugares.

Recomendação etária: 14 anos
Ingressos: R$ 10,00 (inteira); R$ 5,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino). R$ 2,50 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).

SESC Consolação
Rua Dr. Vila Nova, 245
Tel: 3234-3000

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.