SÃO PAULO – A peça O pai, de Florian Zeller, reestreou sua sexta temporada dia 23 de março no teatro Renaissance, em São Paulo. Tive a oportunidade de estar em quatro das seis estreias. Conferi sempre com emoção. O texto me atinge muito certeiramente. Não é por acaso que é considerado um fenômeno mundial, estando em cartaz simultaneamente em trinta países, tendo ganhado na França o prêmio Molière de melhor peça e na Inglaterra, foi eleita a melhor peça do ano, pelo The Guardian, por exemplo. 

É discutido um tema que contemporaneamente ainda não possui solução científica, porém, a encenação em tom de comédia, nos coloca próximo do assunto, levando-nos a reflexão de como seria estar na pele do André (Fulvio Stefanini). A relação do Pai – nessa degradante situação – com a filha e com os outros fantasmas de sua mente nos dá possibilidades de entender como se é vivenciado o assunto, na pele.

Fulvio Stefanini proporciona prazer e oportunidade ao público, de presenciar o trabalho de um ator que têm mais de 60 anos de carreira. Vê-lo em cena é ter percepção da história e resistência de ser ator no teatro Brasileiro.

As sacadas inteligentes da direção na realização do trabalho mais a composição do elenco, equipe técnica e de todos os profissionais envolvidos, nos permite conferir um trabalho imperdível.

 

 

TEMPORADA:

Sextas e Sábados às 21h30 e Domingo às 18h00

Até 10 de Junho de 2018

Compre pelo telefone de segunda a sábado das 11h às 19h (11) 2626-8038 Temporada

Endereço

Alameda Santos, 2233
Jardins – São Paulo – SP

 

Ficha Técnica

Texto: Florian Zeller

Tradução: Carolina Gonzalez e Lenita Aghetoni

Direção: Léo Stefanini

Produção 2018: Adriana Grzyb, Giovani Tozi e Léo Stefanini

Elenco: Fulvio Stefanini, Carol Gonzalez, Carol Mariottini, Paulo Emilio Lisboa, Wilson Gomes e Déo Patricio.

Cenário: André Cortez Figurinos: Letícia Barbieri Iluminação: Wagner Antônio Assessoria de Imprensa: Morente Forte