RESENHA: ESPETÁCULO REÚNE DUAS PEÇAS DE TENNESSEE WILLIAMS

Maurício Mellone* (redacao@aplausobrasil.com)

PROPRIEDADES CONDENADAS
PROPRIEDADES CONDENADAS

SÃO PAULO – Excelente oportunidade para conhecer um pouco mais do universo do dramaturgo norte-americano Tennesee Williams — um dos autores mais montados em todo o mundo —, que se caracterizou por transpor para suas obras muito das aflições pessoais e de seus conflitos familiares. Propriedades Condenadas, em curta temporada na reformada sala Paschoal Carlos Magno do Teatro Sérgio Cardoso, o diretor Marco Antônio Pâmio e a Episódica Cia reuniram duas peças de Williams num único espetáculo de uma hora de duração: Esta Propriedade está condenada e Por que você fuma tanto, Lily?. A atriz Camila dos Anjos divide o palco com Ricardo Gelli até o dia 19 de abril e com Gustavo Haddad até o final da temporada, no dia 03 de maio. 

PROPRIEDADES CONDENADAS
PROPRIEDADES CONDENADAS

A montagem, além de unir duas peças curtas, tem outro diferencial: o diretor resolveu colocar o próprio dramaturgo no palco, como narrador:

“Como não partimos de uma obra acabada e sim do momento da criação, o transporte do criador para sua criatura, trouxemos o próprio Tennessee para a cena. A cenografia segue a mesma proposta, em que os ambientes e cenários vão surgindo na caixa preta simultaneamente à elaboração das rubricas do texto, por meio de desenhos de giz feitos pelos personagens, guiados pelo autor”, explica Marco Antônio Pâmio.

Desta forma, o início do espetáculo é com a peça Esta propriedade está condenada, em que o ator (Ricardo ou Gustavo), na pele do dramaturgo, conta a triste história de Willie (Camila), uma garota que passa seus dias pulando os trilhos de um trem, que ficam próximos de sua velha e abandonada propriedade. Com a fuga da mãe com um maquinista da estação, o pai da menina, que é alcoólatra, desaparece e logo depois a irmãzinha morre de tuberculose. Diante de tanta desgraça, Willie distorce a realidade e cria seu mundo imaginário, que divide com o garoto Tom (Ricardo/Gustavo).

Na sequência, com Por que você fuma tanto, Lily?, a história é sobre o drama de uma mãe e sua filha: com a morte do marido, a Sra Yorke (Camila) vê como única saída para a vida delas que Lily (Ricardo/Gustavo), uma intelectual depressiva, faça um bom casamento. No entanto, a moça, que vive enclausurada no casarão da família e não para de fumar, se opõe radicalmente aos inescrupulosos planos da mãe.

Mesmo tendo sido escritas no final dos anos 1930, é impressionante como as peças de Williams são atuais, com temas que convivemos muito hoje em dia (alcoolismo, traição conjugal, fuga da realidade, alpinismo social, contratos espúrios de casamento).

Propriedades Condenadas, além de retratar o universo denso e opressivo de Tennessee Williams, é um convite à reflexão sobre as mazelas do ser humano. Destaque para a praticidade do figurino de Kleber Montanheiro, a iluminação de Caetano Vilela e o despojado cenário de Cesar Rezende. A sensível direção do premiado Marco Antônio Pâmio e a interação cênica dos atores são relevantes para o bom desempenho do espetáculo. Pena que a temporada é curta, só até o dia 03 de maio. Confira!

Roteiro:
Propriedades Condenadas. Texto: Tennessee Williams. Tradução:  Marco Antônio Pâmio e Camila dos Anjos Direção: Marco Antônio Pâmio. Elenco: Camila dos Anjos, Ricardo Gelli e Gustavo Haddad (os 2 atores se revezam) . Figurino: Kleber Montanheiro. Cenário: Cesar Rezende. Iluminação: Caetano Vilela.  Assistente de direção: Gonzaga Pedrosa. Trilha sonora: Marco Antônio Pâmio. Fotografia: Bob Sousa e Elder Fraga. Produção executiva: Camila dos Anjos. Direção de Produção: Elder Fraga.

Serviço:
Teatro Sergio Cardoso, sala Paschoal Carlos Magno(155 lugares), Rua Rui Barbosa, 163. Horários: de sexta a domingo às 20h. Ingressos: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). Duração: 60 min. Classificação: 16 anos.

Temporada: até 03 de maio.