SÃO PAULO – Depois de longa temporada carioca, Marcelo Serrado está na cidade com o monólogo Os Vilões de Shakespeare, do dramaturgo inglês Steven Berkoff, com direção de Sergio Módena. O texto, que ganhou tradução do imortal da Academia Brasileira de Letras, Geraldo Carneiro, é como se fosse uma conferência, em que o palestrante analisa e comenta as peças de William Shakespeare. De forma descontraída, o ator explica que o objetivo é analisar os vilões da obra do bardo: ele interage com a plateia, contextualiza cada passagem do personagem escolhido e em seguida interpreta algumas cenas em que o vilão mostra toda a sua maldade.

O espetáculo começa com Serrado interpretando um texto trágico da obra de Shakespeare. Em seguida, com bom humor, ele inicia a conversa com os espectadores querendo saber o significado de vilania e quem seriam os verdadeiros vilões da humanidade. Com certa timidez, as pessoas se soltam e citam personagens que fizeram e ainda fazem mal à sociedade (além de vultos da história, como Hitler, Fidel ou Mussolini, há outros mais recentes, inclusive da política atual). Aí o ator/palestrante, com a ajuda de um telão em que nomes e imagens são projetados, começa a contextualizar as peças de Shakespeare e as cenas em que o vilão demonstra toda a sua crueldade e baixeza. E aí, ele interpreta pequenas cenas do vilão.

“É muito interessante para um ator representar vilões. É neles que estão os arquétipos, o dissimulado, o tirano, o vingativo. Essa colcha de retalhos é genial e Shakespeare, por meio de seus personagens, mostra causa, motivo e justificativa para que possamos compartilhar uma jornada psicológica, ao invés de simplesmente condenar a maldade”, analisa Marcelo Serrado.

Dentre os vilões de Shakespeare, a peça destaca alguns, como Ricardo III, Coriolano, Iago, Hamlet e Oberon. Além de comentar e analisar o contexto em que estes vilões atuam, a trama procura investigar o que estes personagens têm que atraem tanto o público.

“É um privilégio trabalhar com textos tão maravilhosos, extraídos de personagens marcantes da obra do Shakespeare. A ideia do Steven Berkoff é maravilhosa, a gente apenas transpôs estas reflexões para o contexto do teatro brasileiro”, explica o tradutor Geraldo Carneiro.

Marcelo Serrado está à vontade em cena, consegue manter uma boa relação com a plateia e tem a chance de interpretar grandes personagens do teatro universal. Confesso que por serem pequenas as cenas, senti necessidade que os personagens clássicos de Shakespeare fossem mais desenvolvidos.

 


Roteiro:
Os Vilões de Shakespeare. Texto: Steven Berkoff. Tradução e adaptação: Geraldo Carneiro. Direção: Sergio Módena. Elenco: Marcelo Serrado. Figurino: Carol Lobato. Iluminação: Paulo Denizot. Trilha sonora: Marcelo Alonso Neves. Fotografia: divulgação. Realização: Rio MS Prod. Artísticas e Barata Comunicação.
Serviço:
Teatro Eva Herz (168 lugares), Livraria Cultura – Conj. Nacional, Av. Paulista, 2073, tel. 11 3170-4059. Horários: sábado às 19h e 21h e domingo às 18h
 Ingressos: R$ 80 (R$ 30 – ingressos promocionais, válido aos 34 primeiros espectadores). Bilheteria: terça a sábado, das 14h às 21h; domingos das 12h às 19h. Vendas: bilheteria e  www.ingressorapido.com.br  / www.teatroevaherz.com.br. Duração: 65 min. Classificação: 12 anos. Temporada: até 29 de Abril.

Resenhista e colaborador do site.

Maurício Mellone publicou o texto no www.favodomellone.com.br – parceiro do Aplauso Brasil