SÃO PAULO – As Irmãs Siamesas, peça premiada do dramaturgo e diretor José Rubens Siqueira, ganha nova e sensível montagem pelas mãos do diretor e ator francês Sébastien Brottet-Michel. O espetáculo conta o drama do reencontro das irmãs Marta, vivida por Cinthya Hussey, e Maria, interpretada por Nara Marques, após a morte da mãe. Um misto de mágoa, revolta e ciúme encobre o amor, o afeto e a cumplicidade existentes entre elas; o tempo provocou um distanciamento das irmãs e a dor da perda faz com que elas se reaproximem e tentem reaprender a viver em comunhão.

A cena inicial do reencontro das irmãs sintetiza toda a montagem: com Marta sentada numa extremidade de um grande baú (parece até um túmulo), Maria chega pé ante pé, hesitante em se aproximar e toca na irmã, que se retrai e a outra também recua. Sem uma palavra e unindo a bela trilha com uma iluminação avermelhada, o diretor parece que criou a cena milimetricamente, culminando com a atuação precisa das atrizes. Prólogo de grande impacto, que traz os espectadores para o centro do drama a ser encenado.

O que provoca o encontro das irmãs é a morte da mãe delas. Marta apenas comunica o acontecido e Maria volta para a casa depois de anos afastada para tomar pé da situação. Enquanto Marta, a mais velha, abdicou de sua individualidade para cuidar da mãe doente, Maria foi para a capital em busca de novos horizontes. De personalidades opostas, ao se reverem, um turbilhão de emoções eclode, misto de revolta, mágoa, ressentimento, ciúme e incompreensão; de ambos os lados. No entanto, o passado de cumplicidade, memórias e afetividade não se apagou e aos poucos elas deixam aflorar seus sentimentos mais íntimos.

“Uma história universal e tragicamente banal, que quis sublimar através do lindo texto do José Rubens Siqueira. Longe de um realismo prosaico, busquei um realismo poético. Como bonecas russas ‘matrioscas’, nossas duas irmãs irão se redescobrir uma camada após a outra”, explica Sébastien Brottet-Michel.

O grande baú do centro do palco guarda não só roupas velhas como outro pequeno baú, com os objetos íntimos da mãe. Na verdade o passado daquelas mulheres é que está guardado no baú, tanto que elas literalmente entram nele e é de lá que elas iniciam a reconstituição de suas vidas.

Além da dramaturgia de grande impacto, a sensível e poética encenação de Brottet-Michel é valorizada pela iluminação, visagismo e a criativa trilha sonora. No entanto, o texto de Siqueira só ganha a devida dimensão graças à interpretação primorosa de Cinthya Hussey e Nara Marques. Sem dúvida um espetáculo emocionante, que cativa graças à identificação com cada um de nós — quem já não passou pela dor da perda e teve de lidar com este sentimento?

Roteiro:
As Irmãs Siamesas. Texto: José Rubens Siqueira. Direção: Sébastien Brottet-Michel. Elenco: Cinthya Hussey e Nara Marques. Cenografia: Marisa Rebollo. Figurino e visagismo: Kene Heuser. Iluminação: Rodrigo Alves Salsicha. Trilha sonora: Wayne Hussey. Produção executiva: Maristela Bueno. Fotografia: Heloísa Bortz. Realização: Ecoman Prod. Artísticas.
Serviço:
Teatro Aliança Francesa (230 lugares), Rua Gal. Jardim, 182, tel. 11 3572-2379. Horários: sexta e sábado às 20h30 e domingo às 19h. Ingressos: R$ 40 e R$20.Bilkheteria: 2h antes das sessões. Venda: www.ingressorapido.com.br. Duração: 80 min. Classificação: 14 anos. Temporada: até 02 de dezembro.

* Maurício Mellone publicou o texto no www.favodomellone.com.br – parceiro do Aplauso Brasil