Sete passos de mestre para sete anos de vida da Temporada de Dança do Teatro Alfa

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Cia. Sociedade Masculina da Dança estreará nova coreografia

Nem sempre sete é conta de mentiroso. Às vezes é um número mágico como mágica é a arte. Em 2010 o sete tem um significado expressivo para o Teatro Alfa. Para aqueles ansiosos em acompanhar o que há de relevante no universo da dança, no Brasil e no mundo todo, a Temporada de Dança do Teatro Alfa é parte da agenda cultural. Nesse ano ela completa sete anos e traz em sua programação sete companhias, nacionais e internacionais, classificadas por Fernando Guimarães, gerente técnico operacional e responsável pela programação do Teatro Alfa, como “sete significativas companhias. Significativas, pois as sete já participaram de temporadas anteriores. Significativas pois cada uma delas apresenta uma característica única”.

Cia. de Taiwan homenageia 150 anos de Tchekhov

Desde a primeira edição da Temporada de Dança do Teatro Alfa, em 2003, são vendidas “assinaturas” com direito a cadeira cativa (o que garante lugar em espetáculos cujos ingressos esgotam rapidamente, como os do Grupo Corpo), descontos de 15 a 30% no preço dos ingressos da Temporada de Dança – além de descontos em outros espetáculos em cartaz no Teatro Alfa -, 50% de desconto no serviço de Valet Parking (estacionamento com manobrista), atendimento personalizado, entre outras vantagens.

Assisti espetáculos de seis companhias das sete que formam a temporada 2010 e sei que, é importante que se diga, se elas são apenas um pequeno espectro do muito que se faz de interessante na dança contemporânea, pelo menos, há pontos de valor irrepreensível no trabalho delas.

Grupo Corpo repõe "Ímã"

As edições anteriores sempre tiveram em sua abertura o eletrizante e criativo Grupo Corpo com seu repertório repleto de pérolas – Bach, Parabelo, Santagustin, Ongotô, entre muitos outros -, espetáculos que contribuíram para o nascimento e a manutenção – sempre em progresso – de uma forma peculiar de dançar. Signos corporais emblemáticos, unindo o rigor da formação clássica aos movimentos pélvicos que ampliam a malemolência e o gingado brasileiro. Esse ano, em que a companhia belo-horizontina comemora seus 35 anos de trajetória bem-sucedida, nacional e internacionalmente, re-apresenta sua nova criação, o festivo e jovial Ímã (2009) e deu ao público, por meio de votação pela Internet, o poder de escolher a coreografia que abre a noite do Grupo. Com mais de 40% dos votos o público da turnê do Corpo, que começa em São Paulo e segue por outras capitais brasileiras, foi a passional e elegante Lecuona.

Concordo quando Fernando Guimarães afirma que o “Grupo Corpo, como ninguém, criou uma linguagem brasileira para a dança”, seja pela expressividade corporal cheia de movimentos tão característicos ao nosso corpo, seja pelas parcerias musicais na criação das trilhas originais da companhia – nomes que estão entre os melhores da MPB, como Tom Zé, Caetano Veloso, José Miguel Wisnik, João Bosco, Lenine, entre outros

Com o resgate canônico de balés neoclássicos de Balanchine, por exemplo, aliado ao trabalho com novos nomes que figuram na dança contemporânea, a São Paulo Companhia de Dança, criada e mantida pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, está entre as sete companhias escolhidas para a Temporada de Dança de 2010 e cumpre o duplo papel: resgate e investigação.

Para as outras duas companhias brasileiras representantes da Temporada de Dança do Teatro Alfa de 2010, deixo a cargo das definições de Fernando Guimarães a apresentação das mesmas: “A Cia. Sociedade Masculina de Dança traz a virilidade de seus oito bailarinos a serviço da arte de grandes coreógrafos e a Quasar Cia. de Dança é dona de uma identidade própria, proveniente de uma arrojada exploração do movimento e criatividade de seu coreógrafo (Henrique Rodovalho)”.

Duas vezes oriente

Das três companhias de dança internacionais que enfeixam a grade de programação da Temporada de Dança do Teatro Alfa de 2010, duas são orientais: Sankai Juku com sua estética singular, proveniente do butô, em busca de equilíbrio entre os mistérios do universo e a Cloud Gate Dance Theatre a sabedoria e arte milenar oriental mostrada de forma atual e sempre inusitada.

Já no Ocidente, ouçamos o que Fernando Guimarães pontua “O Ballet du Grand Théâtre de Genève apresenta a concentração no trabalho de cada indivíduo é a fonte de inspiração que os impele a transcender a si mesmos” .

Sentindo falta

"Para Acordar os Homens e Adormecer as Crianças", com o Ballet de Londrina

Um espetáculo que, certamente, se enquadraria às necessidades da curadoria da Temporada de Dança do Teatro Alfa tive o grande prazer de assistir sua pré-estreia ano passado no FILO – Festival Internacional de Londrina. Para Acordar Homens e Adormecer as Crianças, coreografia de Leonardo Ramos para o Ballet de Londrina, traz movimentos de solo que exigem novas formas de apoio e sugere novos desenhos corporais num espetáculo que alia inventividade criativa, sensibilidade e habilidade técnica superlativas. Pena que o público da Temporada de Dança do Teatro Alfa não terá o mesmo privilégio que eu tive.

Para saber mais sobre a Temporada de Dança do Teatro Alfa 2010 visite o site www.teatroalfa.com.br

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

5 Comentários
  1. A peça é extraordinária, atuações memoráveis. Tenha certeza de que vai ser engolido pela dramaturgia de Jô Bilac.
    Vai esperando atento cada palavra e ação. Tudo casa muito bem. A direção de Vinicius Armeiro, tem sua peculiaridade, que é se tornou marca registrada.
    Parabéns ao grupo todo!
    Mais um grande trabalho!

  2. sou mãe do bailarino uatila coutinho adimiro muito o grupo corpo numca tive o prazer de assistir a uma apresenteção maiis vejo pela internet vcs estão de parabens amo muito meu filho sinto muita saudades pq ficamos muito tempo sem nos ver mas sei q ele é muito feliz ai com vcs bjs e boa sorte
    sucesso

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*