Só até domingo o show de Zélia Duncan com canções de Itamar Assumpção

Maurício Mellone, para o Favo do Mellone – parceiro do Aplauso Brasil  (mellone@aplausobrasil.com)

Zelia 3Tudo Esclarecido fica no SESC Pinheiros somente até domingo, dia 13. Em sua carreira, a cantora já gravou 11 canções de Itamar e lançou em 2012 um CD só com canções dele, que é a base deste show

SÃO PAULO – Depois do aclamado espetáculo TôTatiando em que interpretava canções de Luiz Tatit (líder do Grupo Rumo),  a cantora e compositora Zélia Duncan faz nova homenagem a um personagem da consagrada Vanguarda Paulistana dos anos 80. Em Tudo Esclarecido Zélia canta somente canções do mestre Itamar Assumpção. São mais de 20 músicas do compositor, sendo 5 em parceria com Alice Ruiz, incluindo  algumas inéditas como A Gruta da Solidão e Zélia Mãe Joana que ele fez especialmente para a amiga. Em 90 minutos de show de muita emoção, Zélia é acompanhada por Ézio Filho (contrabaixo), Léo Brandão (teclados e acordeon), Webster Santos (violão e guitarra), Christiaan Oyens (violão, guitarra slide e percussão), Jadna Zimmermann (bateria e percussão). Um aviso importante: os espetáculos acontecem somente até domingo, dia 13, no SESC Pinheiros.

Para aprofundar a fórmula obtida no show-teatral sobre a obra de Tatit, Zélia Duncan em Tudo Esclarecido chamou Isabel Teixeira (assistente de direção de Regina Braga em TôTatiando) e Simone Mina, que assina cenografia, figurino e direção de arte; assim o espetáculo segue um roteiro e uma concepção cênica bem estruturados e fala essencialmente de amor, em todas as suas facetas: do encontro ao desencontro, passando pela paixão, o ciúme, a loucura e a separação.

E ninguém melhor para avalizar este trabalho do que Arrigo Barnabé, que dividiu a cena musical paulistana com Itamar nos anos 1980:

“Zélia Duncan, com certeza a melhor dicção feminina no Brasil, se apropria neste trabalho da angústia, característica tão indissociável da obra de Itamar Assumpção, e consegue uma ferramenta poderosa de atuação, funcionando para o ouvinte quase como um recurso cênico. Ela controla esta angústia em sua interpretação, realizando assim uma metamorfose da angústia em amor, afeto, compaixão”, afirma o compositor Arrigo Barnabé no encarte do show.

As canções são apresentadas dentro do roteiro, assinado por Zélia e Isabel Teixeira, e estão divididas em prólogo, entardecer, noite baixa, noite alta e amanhecer. Os arranjos definidos por Arrigo como “belos, singelos, descontaminados, dessintomatizados” deixam a intérprete à vontade e como na letra de Quem canta seus males espanta, Zélia é dona da cena:Zelia 2

“Eu me transformo em outras, determinados momentos

É pelos palcos que vivo, seguindo o meu destino”

Difícil ressaltar alguma interpretação das mais de 20 músicas apresentadas em Tudo Esclarecido. No entanto ouvir as antológicasFico Louco e Nego Dito, que marcaram a trajetória de Itamar pelo cenário da música brasileira, na voz de Zélia é surpreendente. Outro momento de extrema emoção é para a versão que ela dá paraMilágrimas: Zélia toca cavaquinho sozinha, com os músicos de pé segurando holofotes de luz. Tenho certeza que milagres acontecem neste momento:

“Gota a gota, uma a uma
Duas, três, dez, cem mil lágrimas, sinta o milagre
A cada milágrimas sai um milagre”

Infelizmente a temporada de Tudo Esclarecido em São Paulo é muito curta: os shows acontecem somente hoje, sábado e domingo. Mas ainda dá tempo. Não deixe de conferir e ajudar a termos mais milagres!
Sem dúvida Zélia Duncan com este trabalho faz um merecido e justo tributo ao mestre Itamar Assumpção.

Fotos: Gal Oppido

Roteiro:
Tudo Esclarecidoshow de Zélia Duncan (voz e violão). Músicos: Ézio Filho

(contrabaixo), Léo Brandão (teclados e acordeon), Webster Santos (violão e guitarra), Christiaan Oyens (violão, guitarra slide e percussão), Jadna Zimmermann (bateria e percussão). Direção geral: Isabel Teixeira. Direção de arte, cenografia e figurinos: Simone Mina. Dramaturgia: Zélia Duncan e Isabel Teixeira. Design de luz:  Alessandra Domingues e Cristiano Desideri. Roadies: Sérgio Henrique e Wellington Souza Inocêncio. Fotos: Gal Oppido. Vídeos: Ventanna Filmes. Produção executiva: Patricia Albuquerque. Realização: Fidellio Produções.
Serviço: 

SESC Pinheiros, Teatro Paulo Autran (1010 lugares), Rua Paes Leme, 195. Tel.: 11 3095.9400. Horários: quintas e sextas às 21h, sábados às 20h e domingos às 18h. Ingressos: R$ 32,00 (inteira); R$ 16,00 (usuário Sesc e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino), R$ 8,00 (comerciários e trabalhadores em empresas do comércio de bens, serviços e turismo). Bilheteria: terça a sexta das 10h às 21h30, sábados das 10h às 21h, domingos e feriados das 10h às 18h30. Duração: 90 minutos. Classificação: não recomendado para menores de 10 anos. Temporada: até domingo, dia 13/jan.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.