Superproduções musicais: um novo gênero?

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Albin ou Zazá e Georges no cabaré "A Gaiola das Loucas"

que já recebeu a alcunha pejorativa de “modismo das superproduções musicais” se estabelece, cada dia mais, como gênero que movimenta o teatro com vistas na mera diversão da plateia.

Mesmo contrário ao esquema industrial como é tratado esse tipo de espetáculo, cujos valores altíssimos corroboram para a elitização da arte, uma coisa não se pode negar: depois da vinda dos musicais enlatados (mas com tempero brasileiro) apresentados no Teatro Abril, o público está mais exigente quando há a associação do, adjetivado, nome “superprodução” ao espetáculo.

Nesse quesito “A Gaiola das Loucas”, versão brasileira e direção de Miguel Falabella, produzida por Sandro Chaim, é, por incrível que pareça, superior ao “Mamma Mia!”, nova produção apresentada no Teatro Abril. Motivo: os luxuosos e magníficos figurinos de Cláudio Tovar mais o cenário com efeitos extraordinários dos painéis de LEDS (aquelas luzes no fundo do palco que formam diferentes imagens) dão o glamour a “A Gaiola das Loucas”, diferente do despojo que “Mamma Mia!” apresenta.

Quem é o pai de Sophie em "Mamma Mia!"?

O musical do Teatro Abril é o retrato da alegria e simplicidade dos protagonistas da década de setenta do século passado, com seus valores anti-convencionais.

Em lugar de desmerecer um ou outro espetáculo, tais diferenças tornam o programa de assistir a ambos muito interessante, pois são duas produções que merecem o prefixo super.

E você o que acha desse gênero? Seu comentário é valioso para o avanço do teatro.

“A Gaiola das Loucas”

Teatro Bradesco (1457 lugares)
Bourbon Shopping São Paulo – Rua Turiassu, 2.100 – 3º piso – Pompéia
Informações: (11) 3670-4100
Bilheteria: domingo a quinta, das 12h às 20h; sexta e sábado, das 12h às 22h. Aceita todos os cartões de credito e débito. Não aceita cheque.
Vendas pela Internet: www.ingressorapido.com.bre telefone: 4003-1212.

Quinta e sábado, às 21h. Sexta, às 21h30. Domingo, às 19h.

Ingressos: de R$ 20 a R$ 170

Duração: 150 minutos (intervalo de 15 minutos)
Classificação: 12 anos
Gênero: Musical

Re-estreia dia 06 de janeiro de 2011

SERVIÇO : “MAMMA MIA!”

REALI ZAÇÃO : TIME FOR FUN

APRESENTAÇÃO : BRADES CO SE GUROS

CO-PATRO CÍNIO : CIELO E TELE FONI CA

Site oficial: www.mammamia.com.br

Local: Teatro Abril – Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411 – Bela Vista.

Estreia dia 11 de novembro de 2010 (para público), dia 10 para convidados

Dias e Horários: Quartas, Quintas e Sextas, às 21h; Sábados às 17h e 21h; Domingos, às 16h e 20h.

Duração do espetáculo: 2h40 (com intervalo de 20 minutos)

Capacidade: 1.530 lugares

Estacionamento: O teatro não possui estacionamento próprio

Assentos: O teatro conta com 16 assentos para deficientes físicos e 11 para pessoas obesas.

Classificação etária indicativa: Livre – Menores de 12 anos acompanhados dos pais/ responsável legal.

Meio de Pagamento Preferencial: American Express® Membership Cards e Bradesco Cartões

• Meia-entrada: obrigatória a apresentação do documento previsto em lei que comprove a condição de beneficiário.

• Clientes American Express® Membership Cards e do Bradesco Cartões possuem descontos e pagam em até 3 vezes sem

juros no cartão. Contaram também com pré-venda exclusiva entre 10 de agosto e 25 de setembro.

• Clientes do cartão de crédito MasterCard podem optar pela tecnologia MasterCard ShowPass, pela qual o cartão vira ingresso.

Mais informações no site: www.mastercardshowpass.com.br.

BIL HETERI A OFICI AL • SEM TAXA DE CON VENI ÊNCI A

Teatro Abril – 2ª a Sáb, 12h às 20h; Dom, 14h às 20h; – Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411 – Bela Vista

LOC AIS DE VEND A • COM TAXA DE CON VENI ÊNCI A

Pontos de venda no link: premier.ticketsforfun.com.br/content/outlets/agency.aspx

Central Tickets For Fun: por telefone, entrega em domicílio (taxas de conveniência e de entrega) – 4003-5588 (válido para

todo o país), das 9h às 21h – segunda a sábado.

Pela Internet: www.ticketsforfun.com.br (entrega em domicílio – taxas de conveniência e de entrega)

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

4 Comentários
  1. Prefiro produções teatrais mais focadas no texto e na interpretação, sem muita pirotecnia. Esta observação é de cunho estético e genérica, pois não vi nenhum dos dois espetáculos e não poderia julgá-los por antecipação.

    Acho que a ópera já é, por definição, uma superprodução. Neste caso, temos bons exemplos de qualidade no texto, música, interpretação, iluminação, figurino, etc. Mas esta é uma outra discussão rsrs!

  2. Não há recurso melhor do que a da música no teatro. O teatro se, muito bem musicado e dançado explode de ação aos nossos olhos. Agora, não é preciso ele ser luxuoso e exuberante, pois isso a Sapucaí faz melhor em em vários enredos. Gosto dos musicais quando eles são mais despojados e menos escapistas… E vão dizer que isso não é um musical

  3. Adoro dança, música, e espetáculos onde se possa trabalhar com essas linguagens.
    Já trabalhei em espetáculos bastante diferentes, onde a música estava presente. As possibilidades são infinitas, o circo de Soleil está aí, é só conferir.
    Quero fazer espetáculos com música brasileira, sem desmerecer o que vem importado, via Broadway.

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*