Teatro-D realiza campanha de arrecadação com ‘lives in loco’ e venda de livros para evitar fechamento

EM REDE – O Teatro-D, recém inaugurado, como todos os teatros, está se reinventando para sobreviver a essa pandemia e, além da venda dos livros que mantém na loja em parceria com a Cia das Letras, para levantar fundos que permitam a manutenção da sala, tem realizado lives, aos sábados, transmitidas por seus canais na rede.

Darson Ribeiro, ator, produtor e diretor, que iidealizou e executou seu sonho, o Teatro-D, agora sobrevive com a venda dos livros que, até a pandemia, eram repassados ao espectador com total desconto da Editora Companhia das Letras, um de seus parceiros.

Para a montagem do Teatro, Darson fez um investimento de quase meio milhão de reais, que só foi possível graças a uma série de marcas parceiras, como Indusparquet, Sherwin-Willians, Dell Anno Atelier, Guardian do Brasil Easynvest  e outras, que somam mais de 25 empresas amigas da arte.

“Meu objetivo sempre foi um Teatro além da sala de espetáculos. Por isso, coworking, piano, café, lounge e livraria – as pessoas já estavam habituadas em tomarem seu café, sem a necessidade premente da compra do livro. Simplesmente liam. E, agora eles estão me salvando das dívidas”, conta.

Ele vem se reinventando com a realização de lives que fogem do convencional. Primeiro, porque são transmitidas do próprio Teatro. Segundo, porque sempre há convidados e um tema específico sob o título D-Vaneios de Amor, que a cada sábado ganha um subtítulo. Sempre tendo o amor permeando os assuntos – “necessidade que passou a ser equiparada como bem essencial”, segundo ele, “durante a crise causada pela COVID-19”.

Até agora foram seis: D-Mozart a Zequinha de Abreu; D-Fernandona a Manoel de Barros; D- mãe; d-homem; d-iversidade. para o próximo sábado, darson convidou o ator e cantor mirim Dudu Ejchel, destaque em montagens como Dogville, de Zé Henrique de Paula, e A Noviça Rebelde, de Jorge Takla, para a live D-Vaneios de Amor: D-velho.

“Vai ser um desafio pra mim, cantar sozinho, acompanhado apenas por um pianista e ao vivo, meu Deus!”, desabafa o garoto de apenas 13 anos, que já começa com a difícil canção de Caetano Veloso, “O Homem Velho”, entre outras que serão intercaladas com poesias de Mário Quintana e experiências próprias do diretor.

“Eu quis justamente contrapor com a jovialidade de uma criança, a necessidade de amparo e afeto a um idoso”, os quais, justamente pela pandemia, se mostraram mais abandonados do que antes”, completa Darson.

A Fritz Dobbert, parceira do Teatro-D, mantem um piano de cauda no foyer, apoia a iniciativa e validou, nesta live de sábado, o pianista – também jovem – Roniel de Souza, de 31 anos. Já tocaram lá Jaci Toffano, por anos solista da OSESP, e a viúva de Francisco Mignone, Maria Josephina, de 98 anos. O piano foi inaugurado por Ney Matogrosso em show intimista, apenas voz e piano, que marcou a abertura oficial do Teatro, em novembro de 2019.

Com o Teatro-D, como todas as salas de espetáculos do país, ainda fechado, as lives podem ser acompanhadas Gratuitamente pelo Instagram @teatro_d_espetaculos e pelo canal Teatro-D no YouTube.

SERVIÇO:

“D-VANEIOS DE AMOR: D-VELHO”

7a. LIVE DO TEATRO-D

APRESENTAÇÃO E DIREÇÃO Darson Ribeiro

Com DUDU EJCHEL, ator e cantor, e RONIEL DE SOUZA, pianista

06 de maio de 2020, sábado, das 17h às 18h

Gênero: Prosa Musical

Classificação: LIVRE

Ingressos: GRÁTIS