Tenho uma dor chamada Portugal

 

Jorge Louraço Figueira, de Estado do Crítico 

 

 

Peça de Gil Vicente está no Teatro Nacional São João, no Porto
Peça de Gil Vicente está no Teatro Nacional São João, no Porto

“Tenho uma dor chamada Portugal” é um verso de Ruy Belo, o mesmo poeta de quem se ouvem, perto do final deste espectáculo, as palavras “Aqui – mulher terra mar / Aqui só pode ser a casa de deus”. Belo é um dos “vencidos do catolicismo”, como disse noutro poema (que termina com as palavras de Cristo, por sua vez repetindo um salmo de David: “Meu deus meu deus porque me abandonaste?”). As citações e referências cruzadas dariam para várias edições do PÚBLICO, tal é a riqueza da obra vicentina e da mitologia judaico-cristã. E deve haver inúmeras maneiras de falar deste espectáculo. Mas a ideia mais importante parece ser essa: deus e Portugal são duas fontes de mágoa. Será?

CLIQUE AQUI para ler a crítica completa no Estado do Crítico, site parceiro.

 

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*