Terra de Santo traz aos palcos um dos grupos mais atuantes da atualidade

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

“Terra de Santo”

SÃO PAULO – Os Fofos Encenam apresentam Terra de Santo até 18 de dezembro. Em fevereiro de 2013 estão de volta para uma temporada de três meses. São 13 atores no palco: Carlos Ataíde, Carol Badra, Cris Rocha, Eduardo Reyes, Erica Montanheiro, José Roberto Jardim, Kátia Daher, Luciana Lyra, Marcelo Andrade, Paulo de Pontes, Simone Evaristo, Viviane Madu, Zé Valdir e como (stand-in) Rafaela Penteado.

 O texto é de Newton Moreno, em processo colaborativo com o grupo. A direção é de Newton Moreno e Fernando Neves.  Figurinos e maquiagem de Carol Badra e Leopoldo Pacheco; direção musical de Fernando Esteves, cenários de Newton Moreno, Marcelo Andrade e Zé Valdir e a  iluminação de Eduardo Reyes.

Os Fofos Encenam “Terra de Santo” – foto de João Caldas

 

O grupo teatral apresenta um espetáculo que coloca em cena o resultado de investigações sobre o nordeste brasileiro, suas histórias e as suas crenças religiosas, retratando um povo que carrega o cultivo da cana de açúcar como legado.

Um trabalho que começou com Assombrações do Recife Velho, seguiu com Memória da Cana e agora teve como resultado outra encenação que também será marcante na trajetória do grupo teatral.

A peça promove um encontro entre o presente e o passado de um povo que luta para sobreviver e preservar as suas tradições.

“Terra de Santo”

A montagem é dividida em duas partes. Num momento mais alegre, o elenco recebe o público numa espécie de refeitório.  Os cortadores de cana dividem com a plateia a sua refeição e expõem os seus sonhos, amores e a simplicidade de um povo que labuta incansavelmente.

Também é apresentado um grave problema que coloca em perigo moradores da região: um lugar sagrado pode ser destruído por uma usina de cana de açúcar, que tem o objetivo de ampliar o espaço de plantio.

Num segundo momento, ritualístico e de beleza estética que merece menção, os espectadores são convidados a ocuparem a arquibancada da sala de espetáculos, que se transforma num canavial em que a trajetória de povos que trabalharam na indústria canavieira é recuperada.

São encenadas histórias que retratam uma dura realidade e demonstram a devoção que rege o cotidiano de pessoas ligadas a crenças diversas e que estão presas a um cotidiano sem perspectivas de um futuro melhor.

É nítido que houve uma pesquisa minuciosa para a elaboração das cenas. O competente Newton Moreno conhece bem a realidade do nordeste, sua terra natal, e contou com a colaboração dos demais integrantes dos Fofos para a criação da dramaturgia.

O cenário, o ritmo da encenação, a interpretação dos atores, a trilha (cantada ao vivo pelo elenco e que mescla cantos tradicionais de terreiro, cantiga de ninar, prece tradicional judaica e trecho do Kyrie e do Agnus Dei, da Missa em Si menor de J. S. Bach), a luz (com predominância da penumbra e velas) e os figurinos, basicamente em tons neutros,  proporcionam uma viagem interessante pelo imaginário e pela história do nordeste e do Brasil.

“Terra de Santo” – foto de João Caldas

O elenco, formado por 13 atores, é homogêneo e dá um show de interpretação, tanto nos momentos mais leves quanto nos mais pesados.  O espetáculo, dirigido com maestria por Fernando Neves e Moreno, é de forte impacto textual e visual.

O grandioso cenário retrata o universo da cana e coloca os personagens em contato direto com a terra e a água, num local em que sagrado e profano se misturam.

Índios, judeus, cristãos e negros colocam a plateia em contato com a mãe terra, com a alma brasileira plural nas crenças, mas única na força do enfrentamento das dificuldades. A escravidão do passado e do presente diagnosticada através do domínio, que continua coercitivo, dos detentores do poder econômico.

Ficha técnica:

Elenco: Carlos Ataíde, Carol Badra, Cris Rocha, Eduardo Reyes, Erica Montanheiro, José Roberto Jardim, Kátia Daher, Luciana Lyra, Marcelo Andrade, Paulo de Pontes, Simone Evaristo, Viviane Madu, Zé Valdir e como (stand-in) Rafaela Penteado. Texto de Newton Moreno em processo colaborativo com o grupo, direção de Newton Moreno e Fernando Neves, com figurinos e maquiagem de Carol Badra e Leopoldo Pacheco, direção musical de Fernando Esteves, cenários de Newton Moreno, Marcelo Andrade e Zé Valdir, iluminação de Eduardo Reyes e direção de produção de Emerson Mostacco.

LEIA TAMBÉM

Os Fofos apresentam a exuberante mestiçagem brasileira

Serviço:

Terra de Santo

Espaço dos fofos

Endereço: rua Adoniran Barbosa, 151 – (travessa da rua Jaceguai, em frente ao teatro Oficina), Bela Vista

Funcionamento da bilheteria no espaço dos Fofos: 2 horas antes do espetáculo.

Fone do espaço dos Fofos: (0xx11) 3101 6640

Data da reestéia: 24 de novembro de 2012

Horário: às 21h00

Temporada: 25 de novembro a 18 de dezembro de 2012

Sessões: de segunda e terça 20h00, sábado 21h00 e domingo 18h00

Categoria: teatro adulto.

Gênero: drama.

Indicação etária: não recomendado para menores de 16 anos.

Duração: 2h00

Capacidade: 50 lugares.

Ingressos: R$ 30,00 (inteira) / r$ 15,00 (meia entrada)

Meia entrada: (para estudantes, clientes do cartão Petrobras com acompanhante e pessoas mais de 60 anos).

Compra de ingressos pelo site: www.osfofosencenam.com.br e pela ingressos.com.

Aceita: cartão de débito e crédito (Visa, Mastercard).

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.