UM DIA É DA CAÇA E OUTRO DO CAÇADOR: “CONSERTANDO FRANK” ESTREIA DIA 7 EM SP

André Lopes do Aplauso Brasil (andre@aplausobrasil.com)
Atualizado em 09/03, às 23h

"Consertando o Frank. Foto/Crédito: divulgação
“Consertando o Frank. Foto/Crédito: divulgação

SÃO PAULO – Estreia dia 7 de março no dia Teatro MuBE Nova Cultural o espetáculo Consertando Frank. O texto do autor norte-americano Ken Hanes é inédito no Brasil e será dirigido por Marco Antônio Pâmio, vencedor do prêmio de Melhor Diretor da APCA 2014. O espetáculo abordará temas um tanto delicados, como a homossexualidade, além dos dilemas profissionais e pessoais.

A peça conta a história de Frank Johnston, um jornalista free lancer, que é persuadido por Jonathan Baldwin, psicólogo e ativista gay, com quem tem uma relação amorosa. Ele disfarça-se como paciente para conseguir a matéria jornalística de sua vida: destruir a reputação do Dr. Arthur Apsey, psicoterapeuta que desenvolveu um método de reversão da homossexualidade, porém o plano declina quando Frank acaba sendo seduzido pelo poder de persuasão do Dr. Apsey.

“Foi uma mistura de entusiasmo com apreensão. Encaro a linguagem que o texto propõe como um enorme desafio: como tornar um aparente ‘naturalismo’ dos diálogos em um suporte eficiente para consolidar o jogo teatral? O entusiasmo veio por conta da equipe toda. É importantíssimo cercar-se sempre de colegas competentes e talentosos para o ofício.”, disse  Chico Carvalho ao ser convidado para incorporar Frank Johnston.

Mesmo com papéis complexos que podem gerar comentários e críticas negativas Rubens Caribé, que interpreta Jonathan Baldwin, afirma que “… nossa maior preocupação foi a de treinar a sintonia entre o trio em cena e a fluência que o texto propõe”.

A adaptação brasileira de Consertando Frank quer marcar história na cena de São Paulo: “A gente sempre espera que a temporada se prolongue, mas isso depende da repercussão junto ao público, de apoios, disponibilidade da equipe. Tão bom viajar com uma peça. Sempre esperamos que o público aprecie o trabalho, se mobilize em função da experiência. Que seja uma boa experiência. Teatro é lugar de encontro, talvez um dos poucos no mundo atual, onde possamos estar em contato tão próximo, tão direto, numa experiência sensível com o outro”, diz Henrique Schafer sobre planos futuros quanto a expansão do espetáculo para além das fronteiras paulistas.

SOBRE KEN HANES

Ken Hanes é autor dos livros The Gay Guy’s Guide to Life (Fireside/Simon & Schuster); The Gay Guy’s Guide to Love (Crown/Random House); e Speaking Out (Three Rivers Press/Random House). Suas peças teatrais receberam os prêmios Los Angeles Playwriting Award, South Coast Rep’s California Playwrights Competition e David Library Playwriting Award. Ele recebeu dois prêmios Seattle Arts Commission Individual Artist Award e dois prêmios Seattle Arts Commission Individual Artist Award. Possui Mestrado de Artes em Dramaturgia pela Universidade de Indiana. CONSERTANDO FRANK foi produzida originalmente no circuito off-Broadway de Nova York e subsequentemente recebeu mais de uma dúzia de produções no mundo todo. Ele recebeu uma indicação ao prêmio Independent Spirit Award por seu roteiro para a versão cinematógráfica de CONSERTANDO FRANK. Atualmente está trabalhando em seu primeiro romance.

 

SOBRE MARCO ANTÔNIO PÂMIO

Formado no CPT e com pós-graduação no Drama Studio London, é vencedor de diversos prêmios, como o APCA 1984 de ator-revelação pelo papel de Romeu, no “Romeu e Julieta” dirigido por Antunes Filho, e o APCA 2006 de melhor ator no papel-título em “Edmond”, além de diversas indicações como ator aos prêmios Shell, Mambembe e APCA. Também foi indicado ao Prêmio Quem! de Teatro 2008 na categoria de melhor diretor, por “Amor e Restos Humanos”. Participou como ator de novelas e minisséries, entre as mais recentes “O Negócio” na HBO e “Sessão de terapia” na GNT. Já dirigiu e atuou em mais de trinta espetáculos teatrais. Recentemente, dirigiu os espetáculos “Propriedades Condenadas” e “Assim é (se lhe parece)”, que lhe rendeu o prêmio APCA 2014 de melhor diretor e uma indicação ao Prêmio Shell.

 

SOBRE CHICO CARVALHO

Ator formado pela faculdade de Artes Cênicas da UNICAMP. Esteve envolvido na montagem de diversos espetáculos, como “Édipo Rei” e “Fausto”, ambos sob direção de Marcio Aurélio; “Réquiem”, dirigido por Francisco Medeiros; “Hamlet”, dirigido por Ron Daniels. Sob direção de Marcelo Lazzarato, protagonizou “Ricardo III”, de Shakespeare, papel que lhe valeu o Prêmio Shell 2013 de melhor ator.

 

SOBRE HENRIQUE SCHAFER

Ator com formação em Artes Cênicas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Foi indicado em 2005 ao Prêmio Shell de Melhor Ator por sua atuação no monólogo “O Porco”, trabalho que lhe rendeu muitos elogios da crítica e público. Foi também indicado em 2013 ao prêmio de Melhor Ator pela APCA por sua atuação na peça “Afogando em Terra Firme”. Além do Teatro vem atuando em cinema (“O que se move”, “Augustas”, “L”, entre outros) e televisão (série “Som e Fúria”, novela “Em Família”, entre outros).

 

SOBRE RUBENS CARIBÉ

Estreou em 1987 com “Hair”, de Antônio Abujamra. Na TV atuou em “Anos Rebeldes” e “Fera Ferida” (Globo), “Sangue do Meu Sangue” e “Os Ossos do Barão” (SBT) e “Cidadão Brasileiro” (Record). No teatro, trabalhou com os diretores Cacá Rosset, Ulysses Cruz, Ron Daniels e Felipe Hirsch, entre outros. Ganhou o Prêmio de Melhor Ator – APETESP 1995 por “O Melhor do Homem”, e foi indicado para os Prêmios APETESP 1997 como melhor ator coadjuvante por “Hamlet”, e Shell/RJ de Melhor Ator por “Rei Lear”. Recentemente, atuou no espetáculo “Assim é (se lhe parece)”, pelo qual foi indicado aos

prêmios Shell e APCA de melhor ator.

 

Ficha técnica

Texto: Ken Hanes

Tradução e direção: Marco Antônio Pâmio

Elenco:

Chico Carvalho (Frank Johnston)

Henrique Schafer (Dr. Apsey)

Rubens Caribé (Jonathan Baldwin)

Produção: Ronaldo Diaféria e Kiko Rieser

Iluminação: Fran Barros

Trilha sonora: Ricardo Severo

Figurino: Naum Alves de Souza

Cenário: Chris Aizner

 Serviço

MuBE Nova Cultural

De 7 de março a 26 de abril.

Sexta às 21h30, sábado às 21h30 e domingo às 18h.

R$ 20 até 22 de março;

R$ 30 a partir de 27 de março.

75 minutos.

14 anos.

 

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*