Um encontro exuberante com nossa ancestralidade.

Michel Fernandes*, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com.br)

COTIA – A segunda noite de apresentações da Mostra de Teatro do Projeto Ademar Guerra 2012 reservou uma notória surpresa vinda de Tupã, Kwor­o Kango – Histórias e Memórias, do Grupo Fênix de Teatro, um espetáculo revelador de nossa ancestralidade. Num momento em que a atenção está concentrada na necessidade de se refletir sobre as matrizes indígenas do povo brasileiro, além de pertinente, o espetáculo, dirigido por Charles dos Passos, é um banquete de exuberante teatralidade.

Histórias e Memórias é uma pesquisa sobre mitos e ritos indígenas que utiliza cânticos e danças como suporte formal para revelar a riqueza de nossos ancestrais. Pequenas narrativas de situações em que o índio está imerso, como o alcoolismo, além de recortes históricos – movimento Pau Brasil (parte da Semana de Arte Moderna de 1922, incluindo as idéias difundidas por Oswald de Andrade do Manifesto Antropofágico).

A cena em que é representada a lenda do guaraná é um belo exemplar da riqueza mitológica dos índios que faz com que percebamos que não apenas os gregos e os romanos criaram tradições orais sobre seu heróis e fatos explicados metaforicamente. A solução cênica encontrada pelo Grupo Fenix, explorando a máxima potencia da teatralidade, coloca o coletivo de Tupã na lista das companhias promissoras do estado de São Paulo.

*Michel Fernandes viajou a convite do Projeto Ademar Guerra

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.