Uma equipe de peso!

Maria Lúcia Candeias, colunista e crítica teatral do Aplauso Brasil

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil

Só a equipe que assina a montagem de O Grande Grito, de Gabriela Rabelo, já valeria uma ida ao teatro com folga. Começando pelo diretor que é José Renato (ator e diretor, fundador do Teatro de Arena) que, como sempre, consegue total integração do elenco e dos colaboradores (todos velhos de guerra). Assina a cenografia e os figurinos Márcio Tadeu (arquiteto, ator do Pessoal do Vitor, adorado professor de cenografia da Unicamp) e, como se não bastasse, Davi de Brito caprichando na iluminação (Antunes Filho com quem ele sempre trabalhou, deve estar morrendo de ciúmes).

"O Grande Grito" fica em cartaz só até 17 de abril


Além deles, há um ótimo elenco que dá conta do recado: No papel principal Niveo Diegues (que faz Mário de Andrade), em dupla com Augusto Pompeo (Macunaíma), interrompidos por Adão Filho (Exu). Eles formam o time dos não vivos. Paralelamente a eles há os que vivem no mundo de hoje.Destacam-se os jovens Carlos Francisco, Míriam Amadeu e Murilo Inforsato. Somam-se a eles, (nos papéis de pais da jovem defendida por Míriam) Carlos Cambraia e Theodora Ribeiro.

Pelo o que me foi dito, o texto teve como ponto de partida uma tese acadêmica de Gabriela sobre Mário de Andrade. Não se percebe isso, visto que quem não conhece bem o poeta da Semana de 22, não sai mais informado. Contudo, fica evidente que a autora tem o intuito de protestar sobre a pequena preocupação com a cultura, visto que as obras do grande pesquisador do folclore encontram-se empoeiradas em sala da Secretaria da Cultura, apresentada com grande acerto pelo cenário central, nota dez.  Por outro lado, a peça buscou a empatia do público de hoje, tratando da nossa juventude e consegue esse objetivo quando enfoca os personagens jovens.

Estreia no CCSP, "O Grande Grito"

Quem gosta de teatro bem feito, com poucas passagens pelo mundo intelectual, não deve perder.

Serviço

O Grande Grito – 11 de março a 17 de abril

Local: CCSP-Sala Jardel Filho (Rua Vergueiro 1000)

Ingressos: R$ 20,00

De sexta e sábado- 20h/ Dom. ás 20h

Exposição Paralela: de terça à sábado das 13h às 20h30

Domingo das 10h às 20h30

Veja mais e dê sua opinião sobre esse espetáculo em  www.ograndegrito.blogspot.com

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.