Uma grande revolução pacífica

Maria Lúcia Candeias*, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Nise da Silveira". Com Mariana Terra. Foto de Rafael Viana

SÃO PAULO – É certo que as revoluções provocadas por descobertas científicas costumam ser pacíficas. É o caso da comandada por Nise da Silveira em matéria de psiquiatria. Como é sabido, os remédios para as psicoses são recentes ainda mais os que se dedicam à esquizofrenia – que têm cerca de dez anos. No século XIX usavam-se drogas como o absinto, entre outras. Bem melhor do que anteriormente, quando a internação era definitiva. No século XX, em casos de crise grave os médicos utilizavam choque elétrico.

Doutora Nise, uma alagoana que viveu de 1905 a 1999, inconformada com a situação, criou centros de para terapia através das artes. Com um grande sucesso,transformou o espaço onde eram mantidas as obras de seus pacientes num museu no Rio. Chama-se Museu de Imagens do Inconsciente e além de funcionar com tratamento chegou a formar artistas que se destacaram como Arthur Bispo do Rosário que obteve prestígio até fora do país.

Em 2002, a médica foi a protagonista da peça Anjo Duro, de Luiz Valcazaras, com Bertha Zemel premiada no papel. O artista plástico também foi retratado pelo teatro numa peça intitulada Bispo. Foram excelentes espetáculos e mesmo quem viu e gostou deve comparecer ao Teatro Eva Herz da Livraria Cultura do Conjunto Nacional.

Nise da Silveira, Senhora das Imagens tem enfoque sobre detalhes da vida pessoal da psiquiatra, os quais não foram assuntos das outras montagens, sem deixar de dar a ela o valor profissional que ela teve. Escrita e dirigida por Daniel Lobo tem leveza jovial e modernidade no estilo da bela e jovem intérprete que esbanja dança com coreografia de ninguém menos do que Ana Botafogo. Ela é Mariana Terra e tem grande possibilidade de tornar seu assunto mais próximo de quem nunca ouviu falar dela e desconhece a questão da psiquiatria. Excelente!

"Nise da Silveira". Com Mariana Terra. Foto - Jackeline Nigri

A música leva a assinatura de um ícone, João Carlos Assis Brasil, a cenografia e figurino são de Ronald Teixeira e a luz de Djalma Amaral. Todos em parceria perfeita criando ótima montagem, com vídeos de pessoas famosas dando sua opinião.

A minha é que você não deve perder.

Roteiro:
Nise da Silveira – Senhora das Imagens
. Dramaturgia, concepção multimidia e direção: Daniel Lobo. Interpretação e co-dramaturgia: Mariana Terra. Coreografia: Ana Botafogo. Trilha original: João Carlos Assis Brasil. Participações de Carlos Vereza (Carl Jung) e Ferreira Gullar, José Celso Martinez Corrêa, Ednaldo Lucena e Gilray Coutinho (em vídeo). Preparação vocal: Angela Herz. Cenografia e figurino: Ronald Teixeira. Desenho de luz: Djalma Amaral. Percussão: Marco Lobo. Ensaiadora: Inês Pedroza. Edição: Personal Filme (Daniel Trindade) Fotos: Jackeline Nigri.Realização: Essencial Companhia de Teatro.

Serviço:
Teatro Eva Herz (166 lugares), Avenida Paulista, 2.073 – Livraria Cultura / Conjunto Nacional. Quartas e Quintas, às 21h. Ingressos: R$50,00. Meia-entrada para estudantes, idosos, professores da rede pública de ensino e portadores de necessidades especiais

Bilheteria: Terça a sábado, das 14h às 21h. Domingo, das 12h às 19h. Em feriado, sujeito à alteração. Aceita todos os cartões de crédito. Não aceita cheque. Vendas pela internet: www.ingresso.com. Vendas por telefone: 4003-2330. Informações: (11) 3170-4059 – www.teatroevaherz.com.br. Duração: 1h30. Classificação Etária: 16 anos. Temporada: até 29 de março. SESSÕES NORMAIS DURANTE O CARNAVAL

*Doutora em teatro pela USP, Livre Docente pela UNICAMP

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.