Universo gay em SP é tema de peça no Teatro Pequeno ato

SÃO PAULO – Em Inhai – coisa de viado estudos científicos, fatos históricos e notícias recentes são usados como material cênico pelo Coletivo Inominável, que bebe na fonte dos conceitos e procedimentos do Teatro Documentário. Resposta poética ao clima de convulsão social e conservadorismo que assola o mundo contemporâneo, a montagem estreia dia 6 de setembro, sexta-feira, às 21h, no Teatro Pequeno Ato.

Partindo da pergunta “o que é ser viado na cidade de São Paulo em 2019?”, o espetáculo tem dramaturgia de Fernando Pivotto e Cezar Zabell, que assina a direção. Pivotto também está em cena ao lado de Cayke Scalioni e da drag queen Alexia Twister.

Inhai – coisa de viado é um espetáculo-celebração numa época em que comemorar a identidade gay é um ato de resistência (o título da peça já brinca com a expressão de falar “e aí” popularizado pela drag queen Sylvety Montilla), além de ser uma reflexão sobre a homofobia no Brasil, desde a violência imposta pelos jesuítas a índios que desviavam a heteronormatividade europeia até os dias atuais.

A montagem também marca as quatro décadas de história do movimento LGBTQ+ e traz à cena relatos de experiências de homens homossexuais que vivem na São Paulo do início do século XXI, marcando semelhanças e divergências com os integrantes do grupo. Para isso, a peça passa pelos estágios da vida: desde a infância à vida adulta e ao o questionamento sobre o futuro e os anseios de tempos melhores.

Ponto de encontro, debate e partilha

Investindo nos recursos documentais apresentados em esquetes e monólogos e apoiado em uma dramaturgia não-linear, Inhai – coisa de Viado  explora o conceito de “apresentar” ao invés de “representar”, colocando os atores num estado cênico que não é o da criação de personagens naturalistas ou farsescos, mas sim o do estabelecimento de uma presença performativa.

Para o dramaturgo e diretor Cezar Zabell, a ideia é valorizar a potência cênica de recursos simples ao invés de estruturas complexas. “A direção se apoiou na vivência dos atores e nos anseios do que eles queriam dizer ao público. Assim criei paralelos para falar do macro, pelo micro, e trouxe os atores para uma relação mais próxima com a plateia. Uma vez dentro do espaço cênico, público é convidado a participar ativamente do espetáculo, seja dando sua opinião sobre determinado tema ou jogando com os atores”, explica ele.

Inhai – coisa de Viado   deseja ser, então, a reflexão dos homens gays do coletivo sobre suas sexualidades, identidades e necessidades assim como também deseja ser um ponto de encontro, debate e partilha. “O espetáculo pretende ser a denúncia da violência que ainda sofremos, mas também a celebração de nossa identidade. No país que mais mata LGBTQ+ no mundo, celebrar a nossa existência nos parece uma potente estratégia contra a violência, uma urgência e um direito”, diz o dramaturgo e ator Fernando Pivotto.

O espetáculo também traça alguns paralelos entre o veado (animal) e o viado (gay) mesclando a anatomia dos bichos e dos homens, simbologia e mitologia. Na mitologia chinesa, por exemplo, o veado representa fertilidade e saúde e é símbolo de virilidade em países do hemisfério norte, mas no Brasil ganhou conotação contrária. Por aqui, viado, na linguagem de rua significa homossexual masculino passivo.

 

Sobre o Coletivo Inominável

Fundado em 2015 com o intuito de pesquisar, tensionar e borrar os limites entre palco e plateia e de utilizar procedimentos contemporâneos na encenação de textos clássicos e na criação de dramaturgia autoral, o Coletivo Inominável tem em seu histórico as produções A Gaivota Ou Manual de Etiqueta Para o Ritual do Suicídio (2015), reimaginação do clássico de Tchekhov que encenava a festa de estreia de um espetáculo e A Casa de Bernarda Alba (2017), de Garcia Lorca, com um elenco de mulheres cisgênero e drag queens e que visava discutir as performances de gênero na Espanha de 1936 e no Brasil atual, além de investigar, cenicamente, a clausura, fazendo público e elenco partilhar o mesmo espaço limitado. O espetáculo foi montado a partir de uma residência na Casa Um, centro de acolhida LGBT em São Paulo.

Para roteiro:

INHAI – COISA DE VIADO – Estreia dia 6 de setembro, sexta-feira, às 21h, no Teatro Pequeno Ato. Dramaturgia – Fernando Pivotto e Cezar Zabell. Direção – Cezar Zabell. Elenco – Alexia Twister, Cayke Scalioni e Fernando Pivotto. Assistente de Direção – Fernando Pivotto. Figurinos – Cezar Zabell. Design de Luz – Larissa Kaluzinski. Design de Projeção – Cayke Scalioni. Desenhos Originais – Bruna Sizilio. Operação de Luz e Projeção – Murilo Góes. Operação de Som – Samantha Sarahyba. Preparação Corporal – Rico Malta. Fotografia – Giovanni Fernandes. Assessoria de Imprensa – Nossa Senhora da Pauta. Duração – 80 minutos. Recomendado para maiores de 18 anos. Temporada – Até 28 de setembro. Sextas-feiras e sábado, às 21h. Ingressos – R$ 40,00 e R$ 20,00 (meia-entrada) a venda pelo site bilheteriaexpress.com.br.

TEATRO PEQUENO ATO – Rua Teodoro Baima, 78 – Vila Buarque. Telefone – (11) 99642-8350. Capacidade – 40 lugares.

Kyra Piscitelli

Kyra Piscitelli é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e fez pós-graduação em Globalização e Cultura pela Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Escreve sobre teatro e arte desde de 2009. Integra os Juris da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Prêmio Aplauso Brasil. Ávida por conhecimento, se não está em viagem ou estudo, só há um lugar para achá-la: o teatro!

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*