Vicente Celestino é tema de musical da Cia. Limite 151

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

"Vicente Celestino - A Voz Orgulho do Brasil" - Ricca Barros, Gláucia Rodrigues, Edmundo Lippi e Bruno Ganem

A montagem tem a direção da excelente Jacqueline Laurence e traz no papel-título o ator Ricca Barros, um grande ator dos Musicais Brasileiros. O elenco reúne, ainda, Gláucia Rodrigues, Lucci  Ferreira, Camila Caputti, Edmundo Lippi, Jacqueline Brandão, Bruno Ganem e André Rebustini e mais cinco músicos que tocam ao vivo

SÃO PAULO – Com uma trama que envolve música e uma bela história de amor, a Cia Limite 151 estreia o espetáculo musical Vicente Celestino – A Voz Orgulho do Brasil dia 13 de janeiro, sexta-feira, às 21 horas, no Teatro Anhembi Morumbi. Com concepção de Lafayette Galvão e Wagner Campos e direção de Jacqueline Laurence, a peça retrata a vida de um dos mais importantes cantores e compositores brasileiros do século 20. A montagem estreou no Rio de Janeiro e foi indicada ao Prêmio Contigo na categoria de Melhor Musical nacional de 2010. O grupo fará uma série de ensaios abertos a preços populares: dia 7/01 às 21 horas e 8/01 às 19 horas, sábado e domingo, (a R$ 5,00).

O ator Ricca Barros interpreta o protagonista na trama, uma junção entre dramaturgia e canções célebres. O espetáculo mostra as várias facetas de Vicente Celestino entre 1915 (21 anos) e 1968, ano de sua morte aos 73 anos de idade. Ele foi o primeiro cantor popular do Brasil e teve 54 anos de vida artística, tocava violão e piano e a voz grave era sua marca registrada. Suas músicas marcaram gerações e ganharam uma nova roupagem por artistas contemporâneos como Caetano Veloso e Marisa Monte.

Um dos motes principais da trama é a história de amor entre Vicente Celestino e sua mulher Gilda de Abreu, parceira nos palcos e na vida, interpretada por Gláucia Rodrigues.

“Ela foi uma mulher moderna para a época, anos 40 e 50, que sabia dialogar com os tempos contemporâneos muito bem. Gilda de Abreu cantava, atuava e dirigia filmes, ou seja, era uma mulher à frente do seu tempo. O amor entre os dois foi belo e raro”, diz a atriz.

"Vicente Celestino - A Voz Orgulho do Brasil" - Edmundo Lippi, Jacqueline Brandão, André Rebustine e Bruno Ganem

Entre os sucessos que estão no espetáculo, destaque para Canção da Paz, Flor do Mal, Ébrio, Porta Aberta, Coração Materno e Ouvindo-Te.

A mise-en-scène ficou sob o olhar da direção de Jacqueline Laurence. A diretora se preocupou em aproximar os atores da essência do espetáculo. “A trama se passa em uma época diferente da atual, portanto o trabalho cênico foi desenvolvido para que o elenco incorporasse a personalidade de cada um dos personagens”.

A diretora também ressaltou o lado multifacetado da peça.

“Além de fazer uma viagem pela carreira de Vicente Celestino, a relação do cantor com a Gilda de Abreu é um dos destaques. Os dois tinham uma ligação profunda em todos os aspectos.”

Atualmente, Jacqueline vive a personagem Mirta na novela Aquele Beijo da TV Globo. Com a Cia Limite 151, esteve no elenco de peças como As Eruditas e O Avarento, além de dirigir Tartufo, O Impostor; todas obras Molière.

“Essa parceria começou profissionalmente e gerou um laço mais afetivo. A Cia tem um trabalho que deixa o imaginário vivo na mente das pessoas”.

O cenário incorpora os locais de apresentação de Vicente Celestino. São instrumentos musicais, mesas, cadeiras e luzes com cores vivas espalhadas pelo palco.

“Independentemente do lugar, ele encantava multidões. Vicente se apresentou grandes lugares, mas também em circos e bordeis. Seu objetivo era valorizar a música brasileira. O espetáculo é uma homenagem a esse ícone”, enfatiza Ricca Barros.
<a href="[youtube http://www.youtube.com/watch?v=BFOO-HFoMSg&w=420&h=315]”>
Assista ao vídeo de O Ébrio com Vicente Celestino
PARA ROTEIRO:

VICENTE CELESTINO – A VOZ ORGULHO DO BRASIL – Estreia dia 13 de janeiro, sexta, às 21 horas no Teatro Anhembi Morumbi. Ensaios Abertos: Dia 7/01 às 21hs e Dia 8/01 às 19hs (Preço R$ 5) Texto: Wagner Campos Direção: Jacqueline Laurence Elenco: Ricca Barros, Gláucia Rodrigues, Lucci  Ferreira, Camila Caputti, Edmundo Lippi, Jacqueline Brandão, Bruno Ganem, André Rebustini e mais cinco músicos. Cenários: José Dias Direção musical: Wagner Campos Figurinos: Ney Madeira Luz: Rogério Wiltgen

TEATRO ANHEMBI MORUMBI – R. Dr. Almeida Lima 1.134, Brás – São Paulo/SP Telefone: 2872-1457 de 13 janeiro a 12 de fevereiro. Sextas e Sábados às 21h e domingos às 19hs. Ingressos: R$ 20,00 e meia R$ 10,00.  Lotação: 756 lugares. Duração: 90 minutos.

Michel Fernandes

Michel Fernandes, graduado em Jornalismo e pós graduado em Direção Teatral., escreveu de 2000 a 2012 críticas de teatro e reportagens para o iG. Em 2002 criou o Aplauso Brasil - www.aplausobrasil.com.br -, site voltado à noticias, resenhas e críticas teatrais, até hoje no ar. Integrante da APCA desde 2004, Michel Fernandes já esteve nas comissões do Prêmio Miriam Muniz, ProAC, Programa de Fomento ao Teatro de São Paulo, emtre outros Em 2012 criou o Prêmio Aplauso Brasil de Teatro. Em 2014 realiza Residência do Aplauso Brasil na SP Escola de Teatro. Em 2015 é crítico convidado da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo). Em 2016 é membro de comissão julgadora do Proac. Em 2017 faz parte do Conselho Consultivo do CCSP.

No Comments Yet

Leave a Reply

Seu email não será publicado

*